Ir para conteúdo

Após EUA divulgarem relatório sobre OVNIs, entenda o que já se sabe sobre o tema

Ovni avistado perto do Centro de Desenvolvimento Aéreo Holloman, no Novo México, EUA
Ovni avistado perto do Centro de Desenvolvimento Aéreo Holloman, no Novo México, EUAFoto: Bettmann/Getty Images (16.out.1957)

Pesquisadores dizem que é importante manter a mente aberta à medida que descobrimos mais sobre o assunto.

Discos voadores. Luzes inexplicáveis. Tic-tacs nos céus. Avistamentos de OVNIs intrigam oficiais de governos, testemunhas e entusiastas por mais de 70 anos.

Mesmo assim, apesar de todas as expectativas que foram colocadas sobre um relatório lançado governo dos EUA em 25 de junho, ele só levou a mais perguntas do que respostas.

Resumindo, suas descobertas: sim, algumas coisas estão por aí. Não, não sabemos exatamente o que são.

Embora apenas um dos 144 avistamentos examinados tivesse uma explicação oficial, a mudança de discurso da negação para o reconhecimento aberto foi simplesmente inovadora aos olhos de muitos.

“Há muito tempo compartilhamos nossos céus com esses veículos e, à medida que deixamos o estigma para trás, podemos assumir coletivamente uma abordagem sóbria e científica para entender melhor o que são e de onde vêm”, diz Luis Elizondo, ex-diretor do Programa de Identificação Avançada de Ameaças Aeroespaciais do Pentágono, à CNN.

À medida que o tópico dos OVNIs se move dos reinos da ficção científica para os corredores do Congresso, a busca para preencher o desconhecido ainda pode fornecer algumas respostas. E não apenas sobre o fenômeno.

“A narrativa está sempre no limite do que a própria humanidade está fazendo”, disse o sociólogo Joseph O. Baker sobre os OVNIs. “À medida que descobrimos mais sobre o espaço e o universo, a narrativa vai mudando.”

Com a transparência recém-estabelecida, os pesquisadores dizem que é importante manter a mente aberta à medida que descobrimos mais. E, para fazer isso, também é importante entender quais noções preconcebidas trazemos conosco.

Como chegamos aqui

Em 1952, objetos não identificados causaram um rebuliço nacional após serem avistados no espaço aéreo protegido de DC. Um piloto doméstico observou luzes brilhantes movendo-se no céu, mas não conseguiram encontrar a fonte.

Uma semana depois, aconteceu novamente. Os pilotos de caça disseram aos investigadores que viram luzes brilhantes se afastando e não puderam interceptá-las.

Os avistamentos geraram manchetes em todo o país. Embora algumas tentativas de explicação apontassem para o clima, a causa nunca foi totalmente determinada.

São avistamentos inexplicáveis como esses que Elizondo pesquisou no AATIP, um programa de investigação que estudou o que chamou de fenômenos aéreos não identificados (UAP) para o governo dos EUA de 2007 a 2012.

“Se o povo americano pudesse ver o que eu e meus colegas no Pentágono vimos, eles saberiam que este assunto é muito, muito real e merece um estudo completo”, disse Elizondo à CNN.

Mas a cobertura de OVNIs mudou das manchetes nacionais nos anos 1940 e 1950 para o reino da ficção científica depois de se tornar altamente estigmatizada.

O Projeto Blue Book, programa do governo dos Estados Unidos que estudou OVNIs de 1948 a 1969, concluiu que os avistamentos não identificados na época não eram de tecnologia avançada ou extraterrestres. Durante esse tempo e nas décadas que se seguiram, a mídia sensacionalista correu para preencher o espaço com contos fictícios de invasões extraterrestres. E esse estigma criou raízes.

Em 1997, o governador do Arizona, Fife Symington, deu uma entrevista coletiva depois que centenas de testemunhas em Phoenix relataram ter visto uma grande nave com luzes distintas no céu noturno. Ele brincou com seu chefe de gabinete vestido com uma fantasia de alienígena como o suposto culpado.

Mas uma década depois, em um artigo editorial na CNN, ele escreveu que também viu a nave e descartou uma explicação da Força Aérea que afirmava que as luzes eram meros clarões.

Embora historicamente tenha sido fácil ignorar os relatos de testemunhas oculares, avistamentos de aviadores americanos obtidos por meio de instrumentação ajudaram a dar crédito ao assunto, disse Elizondo. E essa evidência capacitou mais pilotos a falar sobre encontros testemunhados, disse ele.

De acordo com o relatório, 80 dos 144 avistamentos de OVNIs “envolveram observação com múltiplos sensores.” O ex-piloto da Marinha, tenente Ryan Graves, disse ao programa “60 Minutes” da CBS em maio que os pilotos ao longo da costa leste têm visto OVNIs “todos os dias por pelo menos alguns anos”.

Elizondo também deu crédito a forças fora do Pentágono que conduziram a conversa. Os legisladores estão falando abertamente sobre o assunto depois de uma pressão bipartidária na última década para que as agências governamentais divulguem informações. Embora ainda se saiba tão pouco, Elizondo pediu aos americanos que continuem interessados e envolvidos, o que dará maior incentivo para que o Congresso investigue.

“Precisamos de nossas mentes científicas mais brilhantes no trabalho e espero que isso aconteça nos próximos anos. Se pudermos entendê-los totalmente, essas tecnologias são uma grande promessa para a humanidade.”

Como podemos lidar com uma resposta definitiva

Em 2004, o Tenente Comandante da Marinha Alex Dietrich e outros pilotos de caça voando ao largo da costa da Califórnia interceptaram um objeto que eles chamam de “tic tac”.

“Ele se comportou de uma maneira que ficamos surpresos, enervados”, disse Dietrich a Anderson Cooper, da CNN, em uma entrevista em maio. “Ele saltou de um local para outro e caiu de uma forma que era imprevisível.”

O Pentágono divulgou oficialmente a filmagem do incidente em 2020, confirmando sua existência após o vazamento de vídeos.

Do ponto de vista da segurança nacional, há uma necessidade maior de conscientização sobre o que esses avistamentos realmente são. Mas há uma diferença entre representar uma ameaça e ter intenções hostis, Elizondo observou.

“Não acho que esses veículos estão aqui para nos prejudicar”, disse Elizondo. “Se fossem, poderiam ter feito isso na década de 1940, talvez até muito antes.

“Mas o fato de eles terem os recursos tecnológicos para fazer isso enquanto nossa arquitetura de defesa finge publicamente que eles não existem, os torna uma ameaça por definição. Isso é muito diferente de dizer que eles são ‘hostis’.”

Então, como a sociedade e os governos em todo o mundo responderiam se uma resposta fosse menos direta?

Imagine, disse Elizondo, como teria sido incompreensível para o presidente Harry Truman durante a Segunda Guerra Mundial ter recebido um smartphone para um diálogo face a face com a liderança japonesa. Tal salto na tecnologia teria confundido muitos, disse Elizondo, e essa lição pode ser aplicada aos dias modernos.

“À medida que aprendemos mais sobre o espectro eletromagnético e a mecânica quântica, o universo se torna acessível de maneiras que ainda não podemos compreender totalmente”, diz ele.

Os pesquisadores estão trabalhando para estabelecer uma base melhor de conhecimento em torno da mecânica quântica, inclusive para usos práticos como a computação que funcionaria exponencialmente mais rápido. Possivelmente, um avanço distante em nosso futuro também poderia ser aplicado às viagens.

Uma nova compreensão do mundo pode transformar o que antes era mágico em rotina, disse Elizondo sobre o fenômeno. “Existem muitas explicações racionais para essas UAP, mas todas são extraordinárias”, disse ele.

À medida que as sociedades mudam e as tecnologias evoluem, nos vemos fazendo perguntas que crescem com isso. Quando chegamos ao limite da barreira da compreensão, inevitavelmente sentimos a necessidade de espiar por cima da cerca.

“As muitas teorias que estão surgindo hoje deixam bem claro que nós, humanos, somos uma espécie resiliente e curiosa”, disse Elizondo. “Temos um desejo fundamental de compreender a complexidade de nossa experiência consciente e extrapolar verdades objetivas que podem nos levar a um novo renascimento.”

E na busca por uma explicação para o interesse por OVNIs, e por que a curiosidade da humanidade pode circular do escárnio à descoberta, a resposta poderia muito bem ser tão direta quanto: com o passar do tempo, isso é o que somos.

*Texto traduzido, clique aqui para ler o conteúdo original

CNN. 3.7.2021.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: