Ir para conteúdo

A humanização do direito de punir pelas mãos do processamento criminal

Por Alexandre José Trovão Brito

Existem vozes que são contra o uso da Filosofia no momento de argumentar sobre a liberdade protegida pelo processo penal. Alguns invocam que se tratam de “teses de defesa” ou “teoria pra defender bandidos”. Ora, a primeira frase tem sentido. São teses de defesa mesmo, mas teses para defender a lei processual penal e a Constituição. A segunda não resiste ao academicismo mais básico. Cuida-se de proteger não a banditolatria, mas, sim, a democracia.

O processo penal em terras brasileiras vem experimentando um desmonte teórico-argumentativo por conta da total insatisfação popular em relação aos crimes de corrupção praticados pelos altos escalões da República e por conta de uma criminalidade de rua que vem atingindo cada vez mais de perto o cidadão comum. São reclamos válidos, mas não podemos esquecer que a lei vale, e como vale.

Eu, pessoalmente, já fui vítima de um roubo com arma de fogo. O criminoso simplesmente apontou um revólver 38 no meu peito e subtraiu minha carteira. Contudo, não tive sentimentos ou desejos de vingança. Não é assim que o Direito Processual Penal trabalha, ou seja, como um aparelho repressor voltado para a inflição de dores e humilhações a quem se afastou da lei penal.

As etapas da história em que métodos de tortura eram amplamente usados, a pena de morte era uma constante na sociedade e a vingança privada, permitida por certas autoridades, ficaram apenas nos registros dos nossos livros fúnebres. Não podemos retroceder e resgatar toda essa máquina de sofrimentos desnecessários. Na prática, o que isso deixou de bom? Nada.

O processo penal é o mastro responsável por sustentar a democracia de determinado país. Quanto mais resistente o mastro, mais haverá a possibilidade desse regime político navegar com segurança. O processamento penal reflete o status institucional de um sistema democrático e ainda humaniza o direito de punir praticado pelo Estado. As garantias processuais são um bom exemplo disso.

Ser garantista é acreditar e lutar por um sistema de Justiça Criminal mais humano, justo e civilizado. Afinal de contas, a pena, instrumento por excelência de combate aos criminosos, deve ser condição de sentido para um modelo mais racional de julgamento de ilícitos praticados pelo(s) agente(s) do(s) fato(s) delituoso(s). Ser garantista é rejeitar o passado, lutar pelo presente e mirar no futuro.

Quando a lei é contra os nossos interesses, imediatamente nossa posição é a não aceitação ou a resistência ao comando normativo. Mas quando a lei é a favor, de pronto nos mantemos em uma posição de aceitação dela. Essa cultura antilegalista no Brasil tem de mudar. Ainda mais quando o nosso Estado de Direito tem a pretensão de se afirmar como democrático.

O processamento criminal é um dispositivo eficaz na contenção do poder punitivo do Estado. O alargamento da malha punitiva deve ser visto com desconfiança. A um porque processo penal é a racionalização democrática do direito de punir. A dois porque não é superlotando ainda mais os estabelecimentos penais do país que nós conseguiremos eliminar a criminalidade. A três porque processo penal é garantia, não histeria.

No rio da história, há séculos e séculos, houve uma Inquisição que destruiu vidas humanas sem nenhuma proporcionalidade. Sem nenhum filtro. Hoje, a doutrina e as leis penal, processual penal e constitucional foram alvos de um processo racional-humanizador. Em outras palavras, os mecanismos de punição começaram a investir na pena, mas dessa vez com uma perspectiva calcada na dignidade da pessoa humana.

O que aprendemos com a história? Ela serve para nos ensinar que os erros do passado não devem ser esquecidos, justamente para não os repetirmos. Serve também para mostrar que humanização não é sinônimo de impunidade. Vou além. A própria humanização da pena, por meio de suas finalidades de prevenção e ressocialização, demonstra que o Estado não deseja que o crime ocorra ou, no caso de acontecer, que o autor da infração penal seja reintegrado à sociedade.

Alexandre José Trovão Brito é advogado em São Luís, especialista em Direito Penal e Processo Penal pelo Complexo Educacional Damásio de Jesus e membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB Seccional Maranhão.

Revista Consultor Jurídico, 27 de julho de 2021.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: