Ir para conteúdo

Bater pode piorar comportamento de crianças e causar danos reais, aponta estudo

Criança teme ser agredida/ Getty Images
Foto: Criança teme ser agredida/ Getty Images

Revisão de 69 estudos mostrou que crianças que apanham criam mais comportamentos problemáticos ao longo da vida, refutando ideia que bater serve para educar

O castigo físico não parece melhorar o comportamento positivo ou a competência social de uma criança ao longo do tempo, de acordo com uma revisão de 69 estudos dos Estados Unidos, Canadá, China, Colômbia, Grécia, Japão, Suíça, Turquia e Reino Unido.

A revisão, publicada na revista científica The Lancet, concluiu que punições físicas como palmadas são “prejudiciais ao desenvolvimento e ao bem-estar das crianças”, disse a autora Elizabeth Gershoff, professora de desenvolvimento humano e ciências da família na Universidade do Texas, em Austin, nos Estados Unidos.

“Os pais batem em seus filhos porque acham que isso melhorará seu comportamento”, disse Gershoff. “Infelizmente para os pais que batem, nossa pesquisa encontrou evidências claras e convincentes de que o castigo físico não melhora o comportamento das crianças e, em vez disso, o torna pior.”

Mau comportamento piorou após a punição

Para medir o impacto de surras e outros castigos físicos que os pais normalmente escolhem para disciplinar uma criança, a revisão excluiu tipos verbais e “severos” de castigo físico que seriam caracterizados como abuso infantil.

Isso incluía ações como “bater em uma criança com um objeto; bater ou dar um tapa no rosto, cabeça ou orelhas; atirar um objeto em uma criança; bater; bater com o punho; socar; chutar; lavar a boca de uma criança com sabão; derrubar; sufocar; queimar; escaldar; e ameaçar com uma faca ou arma “, disse Gershoff.

Alguns estudos na revisão encontraram resultados mistos, vendo alguns efeitos positivos e negativos associados ao castigo físico. Mas a maioria dos estudos mostrou um impacto negativo significativo de várias maneiras.

O resultado com “a evidência mais consistente”, em 13 dos 19 estudos independentes, foi que surras e outras formas de punição infantil criaram mais comportamentos problemáticos ao longo do tempo, disse Gershoff, como “aumento da agressão, aumento do comportamento antissocial e aumento do comportamento disruptivo na escola”.

A atuação de crianças que foram punidas fisicamente ocorreu independentemente do sexo, raça ou etnia da criança, concluiu a revisão.

Um estudo, feito na Colômbia, na América do Sul, descobriu que crianças pequenas que foram punidas fisicamente ganharam “menos habilidades cognitivas” do que aquelas que não foram punidas fisicamente.

Sete dos estudos que Gershoff e sua equipe revisaram examinaram a associação entre a frequência de punição física e o comportamento negativo de uma criança ao longo do tempo. Cinco dos sete estudos encontraram um “efeito dose-resposta”, disse ela.

“Em outras palavras, à medida que o castigo físico aumentava em frequência, também aumentava sua probabilidade de prever resultados piores com o tempo”, disse ela.

Alguns estudos na revisão descobriram que o castigo físico aumentou os problemas de conduta e os sinais de transtorno desafiador opositivo, que é caracterizado por acessos de raiva, comportamento argumentativo e desafiador, recusa em seguir regras, rancor e vingança.

Outro resultado foi que o castigo físico aumentou o risco de as crianças sofrerem violência grave ou negligência que poderia desencadear a necessidade de envolvimento de serviços de proteção à criança.

Finalmente, a revisão descobriu que quaisquer resultados negativos do castigo corporal não foram amenizados pelo estilo parental. Quatro entre cinco estudos descobriram que um estilo geral afetuoso e positivo dos pais “não atenuou o efeito do castigo físico no aumento dos problemas de comportamento”.

Palmada ainda permitida em todo o mundo

Em 2017, cerca de 63% das crianças com idades entre 2 e 4 anos – ou cerca de 250 milhões de crianças – viviam em países que permitem palmadas e são regularmente submetidas a castigos físicos por parte de seus cuidadores, de acordo com o Unicef.

Nos Estados Unidos, todos os 50 estados dizem que é legal que os pais usem punição física em seus filhos. Dezenove estados ainda têm leis que permitem que as escolas usem castigos corporais durante o dia escolar, embora alguns distritos escolares nesses estados tenham proibido a prática.

Alguma mudança está em andamento. Um estudo publicado em abril descobriu que as palmadas diminuíram nos EUA entre 1993 e 2017, em parte devido à mudança de atitude entre os pais da geração Y e da Geração X, que parecem estar batendo menos em seus filhos do que as gerações anteriores.

Cerca de 50% dos pais relataram que batiam em crianças em 1993, mas em 2017 esse número caiu para 35%, concluiu o estudo. No entanto, esse número ainda é muito alto para os padrões estabelecidos pela Academia Americana de Pediatria em 2018, disse o Dr. Robert Sege, que se especializou em estudos sobre abuso infantil.

O grupo de pediatras sugere que os adultos que cuidam de crianças usem “formas saudáveis ??de disciplina” – como reforço positivo de comportamentos adequados, estabelecendo limites e expectativas – e não usem palmadas, socos, tapas, ameaças, insultos, humilhações ou vergonha.

“Os pais nunca devem bater em seus filhos e nunca usar insultos verbais que possam humilhar ou envergonhar a criança”, disse Sege, principal autor da declaração da Academia Americana de Pediatria sobre punição corporal.

Globalmente, 62 países proibiram o castigo físico de crianças em todos os ambientes e outros 27 países se comprometeram a fazê-lo, de acordo com a Parceria Global para Acabar com a Violência contra Crianças.

Apesar desse avanço, “apenas 13% das crianças do mundo estão totalmente protegidas por lei de todos os castigos corporais”, diz a agência, e 31 países ainda permitem açoites e espancamentos como sentença para crimes cometidos por menores.

As crianças têm direito à liberdade e proteção contra “castigos corporais e outras formas cruéis ou degradantes de castigo”, afirma a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito da Criança de 2006, e a Assembleia Geral da ONU incluiu a proteção de crianças contra todas as formas de violência como uma “meta de desenvolvimento sustentável”.

“Dada a alta prevalência de castigo físico em todo o mundo, não há tempo a perder – todos os países devem atender ao apelo da ONU para defender os direitos humanos das crianças e promover seu bem-estar, proibindo o castigo físico em todas as formas e ambientes”, disse Gershoff.

Se a surra não funcionar, o que funciona?

A Academia Americana de Pediatria recomenda uma série de alternativas às palmadas, incluindo tirar brinquedos e privilégios, e a técnica milenar do castigo.

Sege disse que as técnicas dependem da idade da criança.

“Durante o primeiro ano, o que os bebês precisam aprender é o amor”, disse Sege em uma entrevista anterior, “enquanto descobrem suas novas habilidades, como chorar e fazer bagunça. Portanto, os pais devem distrai-los, dando-lhes outras coisas para fazer ou movê-los para um lugar diferente. É tudo o que eles podem fazer. “

À medida que as crianças vão ganhando mais idade e persistem em fazer coisas que você não quer, disse ele, a melhor técnica é explorar sua necessidade de atenção.

“As crianças anseiam pela atenção dos pais, então use isso a seu favor”, disse Sege. “Preste atenção nas coisas que seus filhos fazem que são maravilhosas; recompense-os com elogios. Então, quando eles fizerem algo de que você não gosta, coloque-os de castigo e não os dê atenção. Use isso. É assim que os castigos funcionam. “

À medida que as crianças ficam mais velhas, ele sugere que aprendam as consequências naturais de seus comportamentos.

“Em vez de blinda-los, ajude-os a aprender a lição, contanto que não corram perigo”, disse Sege. “Coisas como, ‘Você não guardou seus brinquedos, então, em vez de brincar, você tem que limpá-los antes de podermos brincar.’ Isso tira os pais do circuito”.

Os adolescentes, disse ele, também precisam aprender a assumir a responsabilidade por suas ações.

“E você faz isso alertando-os sobre seu comportamento e suas consequências e, em seguida, os ajuda a descobrir como resolver essas consequências.

“É difícil porque requer, pelo menos no início, um nível de atenção plena e pensamento sobre o que você está fazendo como pai”, disse Sege. “Ser pai ou mãe não é fácil. O bom é que nossos filhos nos desculpam pelos erros que cometemos.” 

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original).

CNN Brasil. 3.7.2021.

Factótum Cultural Ver tudo

Um Amante do Conhecimento e com o desejo de levá-lo aos Confins da Galáxia !!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: