Ir para conteúdo

A técnica dos psicólogos para saber quando alguém está mentindo

Pessoa com as mãos para trás cruzando os dedos
Muita gente acha que sabe dizer quando alguém está mentindo, mas é extremamente difícil encontrar indicadores confiáveis

A polícia achou que Marty Tankleff, de 17 anos, parecia calmo demais depois de encontrar os corpos da mãe esfaqueada e do pai espancado na casa da família em Long Island, no Estado de Nova York, nos EUA.

As autoridades não acreditaram em suas alegações de inocência, e ele passou 17 anos na prisão pelos assassinatos.

Em outro caso, a polícia achou que Jeffrey Deskovic, de 16 anos, estava aflito e ansioso demais para ajudar os detetives depois que seu colega de escola foi encontrado estrangulado.

Ele também foi julgado por mentir e cumpriu quase 16 anos de prisão pelo crime.

Um deles não estava transtornado o suficiente. O outro estava transtornado demais. Como esses sentimentos opostos podem ser pistas reveladoras de culpa?

Não são, diz a psicóloga Maria Hartwig, pesquisadora do John Jay College of Criminal Justice da Universidade da Cidade de Nova York.

Ambos os rapazes, posteriormente inocentados, foram vítimas de uma concepção errônea generalizada: que você pode identificar um mentiroso pela maneira como ele age.

Em diferentes culturas, as pessoas acreditam que certos comportamentos — como desviar o olhar, inquietação e gagueira — entregam os mentirosos.

Mas, na verdade, pesquisadores encontraram poucas evidências para apoiar essa crença, apesar de décadas de pesquisas.

“Um dos problemas que enfrentamos como pesquisadores da mentira é que todo mundo pensa que sabe como a mentira funciona”, afirma Hartwig, coautora de um estudo sobre pistas não-verbais para mentira publicado na revista acadêmica Annual Review of Psychology.

Esse excesso de confiança levou a erros judiciais graves, como Tankleff e Deskovic sabem muito bem.

“Os erros de detecção de mentira custam caro para a sociedade e para as pessoas vítimas de erros de julgamento”, explica Hartwig.

“Tem muita coisa em jogo.”

Sinais errados

Os psicólogos sabem há muito tempo como é difícil identificar um mentiroso.

Em 2003, a psicóloga Bella DePaulo, agora afiliada à Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara, e seus colegas examinaram a literatura científica existente e reuniram 116 experimentos que comparavam o comportamento das pessoas ao mentir e ao dizer a verdade.

Os estudos avaliavam 102 possíveis pistas não-verbais, incluindo desviar o olhar, piscar, falar mais alto (uma pista não-verbal porque não depende das palavras usadas), encolher os ombros, mudar a postura e movimentar a cabeça, mãos, braços ou pernas.

Nenhuma delas provou ser um indicador confiável de um mentiroso, embora algumas fossem levemente correlacionadas, como pupilas dilatadas e um pequeno aumento — indetectável ao ouvido humano — no tom de voz.

Três anos depois, DePaulo e o psicólogo Charles Bond, da Texas Christian University, também nos EUA, revisaram 206 estudos envolvendo 24.483 observadores que julgaram a veracidade de 6.651 comunicações de 4.435 indivíduos.

Nem os especialistas em segurança pública, nem os estudantes voluntários foram capazes de distinguir as afirmações verdadeiras das falsas mais do que 54% das vezes — um pouco acima do acaso.

Em experimentos individuais, a precisão oscilou de 31 a 73% — e variou mais amplamente em estudos menores.

“O impacto da sorte é aparente em estudos pequenos”, diz Bond. “Em estudos de tamanho suficiente, a sorte se nivela.”

Este efeito em relação ao tamanho sugere que a maior precisão relatada em alguns dos experimentos pode apenas se resumir ao acaso, explica o psicólogo e analista de dados aplicados Timothy Luke, da Universidade de Gotemburgo, na Suécia.

“Se não encontramos grandes efeitos até agora”, diz ele, “é porque provavelmente não existem.”

A sabedoria popular diz que você pode identificar um mentiroso pela forma como ele soa ou age.

Mas quando os cientistas analisaram as evidências, descobriram que muito poucas pistas realmente tinham qualquer relação significativa com mentir ou dizer a verdade.

Mesmo as poucas associações que eram estatisticamente significativas não eram fortes o suficiente para serem indicadores confiáveis.

Os peritos da polícia, no entanto, frequentemente apresentam um argumento diferente: que os experimentos não eram realistas o suficiente.

Afinal de contas, eles dizem, os voluntários — a maioria estudantes — instruídos a mentir ou dizer a verdade em laboratórios de psicologia não enfrentam as mesmas consequências que os suspeitos de crimes na sala de interrogatório ou no banco dos réus.

“Os ‘culpados’ não tinham nada em jogo”, afirma Joseph Buckley, presidente da John E Reid and Associates, que treina milhares de policiais todos os anos em detecção de mentiras baseada em comportamento.

“Não era uma motivação real, consequente.”

Questionário
Legenda da foto,É difícil identificar um mentiroso com testes

Samantha Mann, psicóloga da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, achava que as críticas da polícia eram pertinentes quando começou a pesquisar sobre a mentira há 20 anos.

Para aprofundar a questão, ela e o colega Aldert Vrij assistiram a horas de entrevistas em vídeo da polícia com um serial killer condenado e identificaram três verdades conhecidas e três mentiras conhecidas.

Mann pediu então a 65 policiais ingleses que vissem as seis declarações e julgassem quais eram verdadeiras e quais eram falsas. Como as entrevistas eram em holandês, os oficiais julgaram inteiramente com base em pistas não-verbais.

Os policiais estavam corretos 64% das vezes — melhor do que o acaso, mas ainda não muito precisos, diz ela.

E aqueles que se saíram pior foram os que disseram confiar em estereótipos não-verbais como “mentirosos desviam o olhar” ou “mentirosos são inquietos”.

Na verdade, o assassino manteve contato visual e não se inquietou ao mentir.

“Esse cara estava claramente muito nervoso, sem dúvida”, afirma Mann, mas controlou seu comportamento para contrariar estrategicamente os estereótipos.

Em um estudo posterior, também realizado por Mann e Vrij, 52 policiais holandeses não se saíram melhor do que o acaso ao tentar distinguir entre declarações verdadeiras e falsas de familiares que haviam matado seus parentes e negado veementemente em coletivas de imprensa que foram usadas no estudo.

Notavelmente, os policiais com pior desempenho foram aqueles que acreditaram que as demonstrações de emoção eram genuínas. Mas o que isso significa?

“Se o marido matou a esposa, ele poderia estar perturbado por uma série de razões, como remorso ou (medo de) ser preso”, diz Mann.

“O comportamento não-verbal é tão idiossincrático. Se você se concentrar no comportamento não-verbal, como as emoções, você vai cometer erros.”

Confirmando esses resultados em larga escala, anos depois, Hartwig e Bond revisaram a literatura de estudos que comparavam as habilidades das pessoas para detectar mentiras de alto e baixo risco.

Eles não encontraram evidências de que as pessoas detectassem melhor as mentiras contadas por criminosos ou suspeitos acusados ​​injustamente em investigações policiais do que aquelas contadas por voluntários em laboratório.

Algo a esconder

De assassinos em série a estudantes mentindo em experimentos de laboratório, as mentiras em todos esses experimentos foram ditas oralmente.

Em um estudo publicado em 2019, Mann examinou a farsa não-verbal, como quando alguém está tentando esconder uma atividade ilícita — um tipo de mentira relevante para detectar terroristas ou contrabandistas.

Ela recrutou 52 estudantes universitários voluntários e pediu a metade deles que transportasse um laptop que supostamente continha fotos confidenciais em um trajeto de balsa entre duas cidades.

Os voluntários foram orientados a tentar se misturar em meio à multidão e não parecerem “suspeitos”, porque haveria pessoas tentando identificá-los.

A outra metade do grupo recebeu um telefone celular comum para transportar, sem instruções para esconder o que estavam fazendo.

Quando Mann mostrou os vídeos das viagens de balsa para 104 outros voluntários e pediu que identificassem os “contrabandistas”, os observadores não se saíram melhor do que o acaso.

Em entrevistas posteriores, os “contrabandistas” disseram que estavam nervosos, mas conscientemente tentaram agir normalmente e controlar o nervosismo com táticas como ouvir música ou usar seus telefones.

Em seguida, Mann aumentou o nível de tensão do experimento. Metade de um novo grupo de 60 voluntários recebeu um envelope com moedas russa, egípcia e coreana para esconder, enquanto a outra metade não “contrabandeou” nada.

Mas, desta vez, Mann enviou dois pesquisadores para andar pela balsa e analisar os passageiros, aparentando comparar seus rostos com fotos em um telefone celular.

Desta vez, 120 observadores que tentavam identificar os “contrabandistas” no vídeo acertaram 39,2% das vezes — bem menos do que o acaso.

A razão, diz Mann, é que os “contrabandistas” conscientemente se esforçaram para parecer normais, enquanto os voluntários “inocentes” do grupo de controle agiram com naturalidade.

A surpresa deles com a vigilância inesperada pareceu aos observadores um sinal de culpa.

Disfarçar bem

A descoberta de que mentirosos podem esconder o nervosismo com sucesso é a peça que faltava na pesquisa sobre mentira, diz o psicólogo Ronald Fisher, da Universidade Internacional da Flórida, nos EUA, que treina agentes do FBI, a polícia federal americana.

“Não são muitos os estudos que comparam as emoções internas das pessoas com o que os outros percebem”, diz ele.

“A questão toda é que os mentirosos ficam mais nervosos, mas isso é um sentimento interno, ao contrário do modo como eles se comportam, conforme observado pelos outros.”

Estudos como estes levaram os pesquisadores a abandonar em grande parte a busca por pistas não-verbais para a mentira.

Mas existem outras maneiras de identificar um mentiroso?

Homem sendo preso
Legenda da foto,Ideias preconcebidas sobre como as pessoas se comportam ao mentir resultaram em erros judiciais

Hoje, os psicólogos que investigam a mentira estão mais propensos a se concentrar em pistas verbais e, particularmente, em maneiras de ampliar as diferenças entre o que dizem os mentirosos e quem fala a verdade.

Por exemplo, os interrogadores podem reter evidências estrategicamente por mais tempo, permitindo que um suspeito fale mais livremente, o que pode levar os mentirosos a contradições.

Em um experimento, Hartwig ensinou essa técnica a 41 policiais em treinamento, que na sequência identificaram corretamente os mentirosos em cerca de 85% das vezes — em comparação com 55% de outros 41 recrutas que ainda não haviam recebido o treinamento.

“Estamos falando de melhorias significativas nas taxas de precisão”, diz Hartwig.

Outra técnica de interrogatório explora a memória espacial ao pedir que suspeitos e testemunhas descrevam uma cena relacionada a um crime ou um álibi para ser desenhada.

Como isso reforça a lembrança, quem diz a verdade pode apresentar mais detalhes.

Em um estudo simulado de missão de espionagem publicado por Mann e seus colegas no ano passado, 122 participantes se encontraram com um “agente” no refeitório da escola, trocaram um código e, em seguida, receberam um pacote.

Posteriormente, os participantes instruídos a dizer a verdade sobre o que aconteceu forneceram 76% mais detalhes sobre a experiência durante uma entrevista para ilustrar o ocorrido do que aqueles solicitados a encobrir a troca de código-pacote.

“Quando você ilustra, está revivendo um evento — então isso ajuda a memória”, diz Haneen Deeb, psicóloga da Universidade de Portsmouth, coautora do estudo.

O experimento foi desenvolvido com a contribuição da polícia do Reino Unido, que regularmente recorre a entrevistas para ilustração e trabalha com pesquisadores de psicologia, como parte da transição para os interrogatórios de presunção de inocência, que substituiu oficialmente os interrogatórios do tipo acusatório nas décadas de 1980 e 1990 no país após escândalos envolvendo condenações injustas e abusos.

Mudança lenta

Nos EUA, porém, essas reformas baseadas na ciência ainda precisam ser introduzidas significativamente na polícia e em outras autoridades de segurança.

Mulher sendo submetida a detector de mentira
Legenda da foto,As técnicas de detecção de mentira desenvolvidas no século 20 são notoriamente imprecisas

A Administração de Segurança de Transporte (TSA, na sigla em inglês) do Departamento de Segurança Interna dos EUA, por exemplo, ainda usa pistas não-verbais de mentira para selecionar passageiros para interrogatório nos aeroportos.

A lista de verificação de triagem comportamental secreta da agência instrui os agentes a procurar pistas que indiquem supostos mentirosos, como desviar o olhar — considerado um sinal de respeito em algumas culturas —, olhar fixo prolongado, piscar rapidamente, reclamar, assobiar, bocejar de forma exagerada, cobrir a boca ao falar e inquietação ou cuidados pessoais excessivos.

Todas essas pistas foram completamente desacreditadas por pesquisadores.

Com os agentes se baseando em fundamentos tão vagos e contraditórios para suspeita, talvez não seja surpreendente que passageiros tenham apresentado 2.251 queixas formais entre 2015 e 2018, alegando que foram selecionados com base na nacionalidade, raça, etnia ou outros motivos.

O escrutínio do Congresso em relação aos métodos de triagem da TSA em aeroportos remonta a 2013, quando o General Accounting Office (GAO)​ — o órgão de auditoria do Congresso americano — revisou as evidências científicas para detecção de comportamento e descobriu que eram insuficientes, recomendando a TSA a limitar seu financiamento e restringir seu uso.

Em resposta, a TSA eliminou o uso de oficiais de detecção de comportamento independentes e reduziu a lista de verificação de 94 para 36 indicadores, mas manteve muitos elementos sem respaldo científico, como suor intenso.

Em resposta ao novo escrutínio do Congresso, a TSA prometeu em 2019 melhorar a supervisão da equipe para reduzir a criação de perfis. Ainda assim, a agência continua a ver valor na triagem comportamental.

Resultado do detector de mentiras
Legenda da foto,Ao serem interrogadas, as pessoas podem ficar nervosas ou angustiadas por uma série de motivos, não apenas por estarem escondendo a verdade

Como um oficial da Segurança Interna disse aos investigadores do Congresso, vale a pena incluir indicadores comportamentais de “bom senso” em um “programa de segurança racional e defensável”, mesmo que não atendam aos padrões acadêmicos de evidência científica.

O gerente de relações com a imprensa da TSA, R Carter Langston, diz que o órgão “acredita que a detecção comportamental fornece uma camada crítica e eficaz de segurança dentro do sistema de transporte do país.”

A TSA cita dois casos distintos de detecção comportamental bem-sucedidos nos últimos 11 anos que impediram três passageiros de embarcar em aviões com dispositivos explosivos ou incendiários.

Mas, como diz Mann, sem saber quantos supostos terroristas escaparam da segurança sem serem detectados, o sucesso de tal programa não pode ser medido.

E, na verdade, em 2015, o chefe interino da TSA foi afastado após agentes infiltrados do Departamento de Segurança Interna contrabandearem com sucesso, em uma investigação interna, dispositivos explosivos falsos e armas reais por meio da segurança do aeroporto 95% das vezes.

Em 2019, Mann, Hartwig e 49 outros pesquisadores universitários publicaram uma revisão de estudos avaliando as evidências da triagem de análise comportamental, concluindo que os profissionais de segurança pública deveriam abandonar essa pseudociência “fundamentalmente equivocada”, que pode “prejudicar a vida e a liberdade dos indivíduos”.

Hartwig, por sua vez, se juntou ao especialista em segurança nacional Mark Fallon, ex-agente especial do Serviço de Investigação Criminal da Marinha dos Estados Unidos e ex-diretor assistente de Segurança Interna, para criar um novo currículo de treinamento para investigadores mais solidamente baseado na ciência.

“O progresso tem sido lento”, diz Fallon.

Mas ele espera que reformas futuras salvem as pessoas do tipo de condenações injustas que marcaram as vidas de Jeffrey Deskovic e Marty Tankleff.

Para Tankleff, os estereótipos de mentirosos se revelaram ferrenhos.

Em anos de campanha para ser absolvido e recentemente para exercer advocacia, o rapaz reservado e estudioso teve que aprender a mostrar mais sentimento “para criar uma nova narrativa” de inocente injustiçado, diz Lonnie Soury, gerente de crise que foi sua coach nesse esforço.

Funcionou, e Tankleff finalmente conseguiu ser admitido na Ordem de Nova York em 2020. Por que demonstrar emoção era tão importante?

“As pessoas”, diz Soury, “são muito tendenciosas”.

*Este artigo foi publicado originalmente na Knowable Magazine e republicado aqui com permissão.

Leia a versão original desta reportagem (em inglês) no site BBC Future.

BBC. 8.5.2021.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: