Ir para conteúdo

Identifique traços de uma pessoa manipuladora e saiba como lidar com ela

manipulacao
Aos poucos a manipulação faz com que a pessoa que está sendo manipulada deixe de ser quem se é para ser uma extensão da pessoa que está manipulando.
|
Foto: Bigstock

Existem vários tipos de relações pessoais que fazem mal, mas poucos unem sutileza à nocividade de tal forma quanto uma relação de manipulação.

Relações assim nos envolvem emocionalmente com intensidade, expondo-nos a pessoas que só pensam em si mesmas e deixando um rastro de estragos pelo caminho. Mas como identificar uma relação assim — e o que fazer depois?

Quando ocorre manipulação

Antes de qualquer coisa, é preciso entender o que caracteriza uma relação de manipulação. Em qualquer relacionamento, um dos lados pode ter uma capacidade de comunicação melhor que o outro. “Porém, ser mais eloquente e persuasivo não torna alguém necessariamente uma pessoa manipuladora”, explica o psicólogo Matheus Vieira. 

E quando acontece a manipulação, segundo ele, há uma diferença de poder, uma hierarquia. “Quem manipula detém o poder da situação e quem é manipulado fica submisso”, pontua Vieira.

“A satisfação da pessoa manipuladora é deter esse poder. Aos poucos a manipulação faz com que a pessoa que está sendo manipulada deixe de ser quem se é para ser uma extensão da pessoa que está manipulando”.

O psicólogo aponta alguns traços que ajudam a identificar um indivíduo manipulador. Confira:

  • Ele é narcisista, mas discreto. “Um manipulador é antes de mais nada alguém egocêntrico. Mas se isso fosse muito escancarado, a manipulação seria revelada”, avalia Vieira. “Então também é alguém que consegue se colocar sempre como o centro, mas disfarçando bem”.
  • Ele analisa bem a pessoa a quem quer manipular. “O manipulador conhece os pontos fracos da outra pessoa, em que ela é vulnerável, porque é desses pontos que o manipulador se aproveita para fazer dela uma espécie de refém”, explica o psicólogo. 
  • O seu envolvimento emocional é em boa medida fictício. “Uma pessoa manipuladora dificilmente se conecta emocionalmente. Se ela se envolve, perde a força de manipulação, perde seu lugar na hierarquia”, diz Vieira. “O manipulador não ama a outra pessoa: ama o poder que tem sobre ela”.
  • Ele se aproveita de um discurso vitimista. “Muitas vezes, no modo como fala, a pessoa manipuladora se coloca como vítima: fala das violências por que passou, de como foi tratada mal, etc.”, conta o psicólogo. “Ela usa esse discurso para que a pessoa com quem está agora faça diferente. Por exemplo, o manipulador diz que tem um trauma porque a sua ex não lhe permitia fazer o que ele queria no antigo relacionamento. Então ele usa esse discurso com a pessoa atual para dizer que ela precisa permitir tudo, porque do contrário vai remetê-lo àquele trauma”.
  • Ele usa e abusa da triangulação. “‘Bem que meus amigos falaram que você é esse tipo de gente’, ‘bem que sua mãe me alertou que quando você bebe você fica assim’: o manipulador usa terceiros elementos para validar a sua opinião”, explica Vieira. “Ele traz à questão outras pessoas que não podem nem explicar a sua posição real e as usa para ganhar força e fazer com que a pessoa manipulada se sinta em minoria”.
  • Ele faz o outro se sentir culpado. “O manipulador faz a outra pessoa se sentir culpada porque é através dessa culpa que ele ganha poder e obtém possibilidades de manipulação”, diz o psicólogo. “Ele nunca é o culpado, nunca é o responsável: ele é sempre uma vítima, alguém que está tentando fazer o melhor”.

Sem discussão

Uma vez reconhecido o processo de manipulação, o que fazer? A dica é se afastar, tanto quanto possível. “Não adianta discutir, porque a pessoa manipuladora cresce em cima de possibilidades argumentativas”, aponta Vieira. “Não dá para promover a conversa, porque ainda se corre o risco de entrar no jogo da pessoa”.

“A melhor coisa a se fazer quando entendemos que estamos diante de alguém manipulador é ficar longe”, aconselha o psicólogo.

É possível se afastar totalmente de alguém com quem se teve uma relação de amizade ou de namoro. Porém, e se se tratar de um pai, uma mãe, um filho, ou de outra pessoa de quem não consigamos nos afastar totalmente? 

“Aí é preciso aprender a colocar barreiras. É preciso aprender a dizer não.  O manipulador trabalha invalidando outras pessoas, então é preciso não se permitir ser invalidado”, diz Vieira.

“O processo terapêutico pode nos ajudar a reconhecer os nossos pontos vulneráveis e nos ensinar a nos posicionarmos de maneira mais assertiva diante do mundo — e, assim, a não permitimos que nossas inseguranças se tornem armas nas mãos de um manipulador”.

Sempre Família. 4.3.2021.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: