Ir para conteúdo

Confira livros e filmes que explicam o que foi o Holocausto

No Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, uma das maiores tragédias humanas pode ser conhecida por meio de obras clássicas e contemporâneas.

O dia 27 de janeiro é o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, data que celebra o aniversário da libertação do maior e mais icônico campo de concentração do regime nazista.

Em 27 de janeiro de 1945, comunistas soviéticos libertaram os prisioneiros do campo de Auschwitz-Birkenau, no sul da Polônia. Para conhecer mais a respeito da tragédia humana que foi o Holocausto promovido pelo nazismo, confira filmes e livros que tratam desse tema:

A Lista de Schindler – Steven Spielberg

Somando 7 estatuetas do Oscar, o filme de Steven Spielberg acompanha um empresário que colabora com o regime nazista, mas secretamente conseguiu salvar centenas de judeus.

Noite e Neblina – Alan Resnais

Um dos primeiros documentários a tratar do tema, apenas dez anos após o fim da 2ª Guerra, Noite e Neblina, de Alain Resnais, se aproveitou do recém-adquirido acesso por parte de historiadores aos arquivos do Holocausto na Europa.

Shoah – Claude Lanzmann

Com mais de 9 horas de duração Shoah é um documentário definitivo para se compreender o que foi o horror dos campos de concentração nazistas. Na obra, o diretor Claude Lanzmann evita usar imagens dos campos em si, e prefere usar relatos de sobreviventes e até de perpetradores das atrocidades.

A Vida é Bela – Roberto Benigni

Aclamado com o Grande Prêmio do Júri em Cannes, o filme rendeu polêmicas por abordar o Holocausto sob uma ótica mais leve e até mesmo humorística.

O Diário de Anne Frank

Anne Frank foi uma garota judia que se escondeu durante meses da perseguição nazista, mas acabou capturada e morta. Sua trágica vida seria apenas mais uma perdida no Holocausto se não fossem seus diários, publicados postumamente, que oferecem uma perspectiva angustiante de quem viveu na pele o horror.

É Isto um Homem? – Primo Levi

Até o início da 2ª Guerra Mundial, Primo Levi era um químico italiano de origem judia. Após ser capturado, foi enviado para um campo de concentração em Fossoli e depois para Auschwitz, onde passou 11 meses, até a libertação do campo pelos soviéticos. Depois dessa experiência, Primo Levi se tornou o principal memorialista de Auschwitz, com livros como É Isto um Homem?, A Trégua e A Tabela Periódica.

Elie Wiezel – Noite

Laureado com o Prêmio Nobel da Paz em 1986, o autor romeno de origem judia Elie Wiesel produziu uma vasta obra memorialística, com mais de 50 obras, após sobreviver ao Holocausto. Sua obra-prima é Noite, que narra suas experiências traumáticas nos campos de concentração, quando ainda era apenas um adolescente.

Kadish por uma Criança Não Nascida – Imre Kertész

Sobrevivente do Holocausto, o escritor judeu-húngaro Imre Kertész foi nomeado Nobel de Literatura em 2002, e sua principal obra literária foi Kadish por uma Criança Não Nascida, uma ficção fortemente inspirada em suas vivências. A obra trata do trauma após a libertação e da decisão do protagonista de não ter filhos depois do que viveu.

Maus – Art Spiegelman

Primeira história em quadrinhos a ser premiada com o Pulitzer, Maus é uma obra-prima que narra as vivências do pai de Art Spiegelman, um judeu polonês sobrevivente do Holocausto, mas também aborda os problemas da relação entre Art e seu pai.

O Menino do Pijama Listrado – John Boyne

Best-seller de John Boyne, O Menino do Pijama Listrado, que também foi levado para o cinema, narra a tentativa de duas crianças separadas por uma grade de se tornarem amigos. O protagonista, filho de um agente nazista, não compreende a situação da criança de cabelo raspado que lhe desperta curiosidade.

Holocausto e Memória – Marcos Guterman

Neto de sobreviventes dos campos de Dachau e Auschwitz, o jornalista brasileiro Marcos Guterman analisa as obras escritas sobre o Holocausto a partir das memórias de suas vítimas.

Olga – Fernando Morais

Olga Benário foi uma militante comunista judia-alemã que veio para o Brasil, casou-se com o militar e político brasileiro Luís Carlos Prestes e acabou sendo enviada para a Alemanha nazista pelo regime de Getúlio Vargas. Sua trágica história é narrada em detalhes pela biografia de Fernando Morais, que virou filme em 2004 pelas mãos de Jayme Monjardim.

Estadão Conteúdo. ES360. 27.1.2021.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: