Ir para conteúdo

Empatia entre as pessoas, sororidade entre as mulheres…

por Ana Daniele Holovaty Amaral

Ainda acredito no ser humano…. Depois de passar por inúmeros problemas confesso que preciso da conversa cara a cara, do contato físico, do abraço, do carinho… Por mais que algumas pessoas prefiram os animais em relação às pessoas (muitas vezes em decorrência das decepções da vida), somente o ser racional e as relações sociais são capazes de suprir o vazio existencial humano. 

Passando por um problema sério em minha vida, como mulher, senti a necessidade desse contato. Inicialmente, achei que não conseguiria devido ao uso constante da tecnologia e do afastamento natural ocasionado pela pandemia do Covid – 19, mas aos poucos percebi que ainda existe humanidade no ser humano. Em meio ao caos sempre existe a mão que afaga, o olhar que conforta, a palavra que consola e simplesmente a compreensão de quem ouve. A humanidade ainda tem salvação… Quando nos deparamos com problemas avassaladores percebemos o quão importante é o ser humano. Como cita Augusto Comte, o ser humano é um ser social e em alguns momentos a rede de apoio é valorosa para que determinadas ações não repercutam em consequências traumáticas. 

Acontecimentos como lutos, divórcios, doenças, deixam os seres humanos sujeitos às patologias psíquicas. Nesse momento a interação social é fundamental… Quando não existe essa rede de apoio as pessoas têm muitas probabilidades de entrar em depressão. Por mais que se busque a ajuda profissional, os laços de amor e amizade são fundamentais para o enfrentamento dos problemas. 

Parece ser uma teoria simplesmente otimista negando as vantagens da interação social… mas se aproxima muito de situações corriqueiras no que tange às idiossincrasias individuais em relação à realidade. Nesse sentido, o ser humano vive melhor se tem mais amor para compartilhar. 

Não é para ser uma teoria melodramática, apesar de parecer… 

Na realidade essa constatação parte da real experiência humana e flerta com as ideias anarquistas de Roberto Freire… as pessoas sempre estão em busca do amor, do tesão, mais precisamente, para desenvolver as atividades do cotidiano… e , uma das formas de atingir esse objetivo/ sentimento se dá através da interação social… 

Posso até me basear em exemplos… o que é uma pessoa depressiva??? Resposta: é uma pessoa que pode até sentir mas não consegue mostrar ou transmitir o amor e muito menos o tesão. A depressão é o contrário do tesão… do tesão pela vida! Nesse caso, sou muito Roberto Freire em uma de suas obras: Sem Tesão não Há Solução. E esse desejo de vida é alcançado através do amor, dos laços que envolvem os seres humanos, mesmo que de forma efêmera. 

Outra rede de apoio que se torna indispensável é a de gênero. Onde a empatia feminina, em alguns problemas é fundamental em uma sociedade onde o machismo estrutural naturalmente julga as ações das mulheres. Podemos acompanhar os casos que repercutiram na mídia referente à situação envolvendo casos de estupro, aborto e doação de menor. Em todos esses casos, as pessoas julgadas sempre foram as mulheres (meninas que enfrentaram problemas gigantescos devido a uma situação tão dolorosa e devastadora como o estupro)!!! Quem foram os estupradores? Como eles foram punidos? Pouco se sabe, infelizmente. A preocupação maior da nossa sociedade machista foi em decidir o que fazer com a questão da maternidade e o que fazer com o corpo da mulher em nome de uma moral que supostamente defende a vida da criança. Felizmente percebi que algumas celebridades e cada vez mais mulheres começaram a praticar a empatia e apoiar as próprias mulheres… Ainda é pouco, mas já é um começo! 

A sororidade nesses casos ajudam a superar os problemas e fortalecer as relações humanas. Pois tem situações que os homens não conseguem entender. Só estando no corpo e na alma de uma mulher para entender a sede, o amor e o tesão pela vida… principalmente nas circunstâncias nas quais envolvem o instinto feminino ou algo considerado muito importante na vida de uma mulher. Então, por experiência própria, as relações humanitárias, a empatia e a sororidade nos fazem sentir mais humanos… Criaturas passíveis de erros e acertos! De altos e baixos… Como afirmou Cartola na música A Vida é um Moinho: 

“… Presta atenção, querida 

Embora eu saiba que estás resolvida 

Em cada esquina cai um pouco tua vida 

Em pouco tempo não serás mais o que és 

Ouça-me bem, amor 

Preste atenção, o mundo é um moinho 

Vai triturar teus sonhos, tão mesquinho 

Vai reduzir as ilusões a pó…” 

Em meio a esse pessimismo “Nitchichiano”, vale afirmar que as relações humanas e as interações sociais aliviam os problemas e humanizam a sociedade através das diferentes formas do entendimento acerca do que é o amor em suas diferentes formas e representações. Dando noção ou mesmo uma ilusão de que ainda vale a pena viver em sociedade! 

Ana Daniele Holovaty Amaral. Pós – Graduação em História e Sociedade pela UNESPAR.

Os artigos publicados, por colunistas e articulistas, são de responsabilidade exclusiva dos autores, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Factótum Cultural.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: