Ir para conteúdo

A crise estética da nova geração!!!

Por Ana Daniele Holovaty Amaral

Percebi o quanto estava fora de moda quando notei a sobrancelha postiça, o lábio preenchido, e a maquiagem excessiva no rosto das “minas” que faziam sucesso nas redes sociais! A harmonização facial virou febre entre as celebridades e demais “patricinhas” que querem e podem pagar por essa padronização de rostos… A palavra aceitação foi banalizada e adquiriu um novo significado: quer dizer aceitar o que a mídia impõe como adequado! Evidenciando a mudança não só nos padrões estéticos, mas também no comportamento humano e nas relações sociais.

 Nesse sentido, como afirma Bauman, essas mudanças e transformações na sociedade trazem como consequência relacionamentos frágeis, descartáveis, ou o que ele chama de amor líquido.

Fiquei remoendo, degustando o meu vinho Cabernet Sauvignon… Ok… foi difícil… me encarar no espelho, após o banho, nua… de corpo e alma…

O resultado???

Não! Não foi a depressão… pelo contrário… foi a satisfação de ser uma mulher de verdade, sem silicone, sem maquiagem, sem botox,  sem filtro!!! Eu não critico quem se cuida… mas a essência é fantástica!!!  Quando olho no espelho, vejo as rugas de quem já viveu pra lá dos trinta… de quem já curtiu muitas noites em claro: de baladas, shows de rock, jogatinas, conversas, sexo… etc. Vejo as lágrimas de perder entes queridos, vejo também as linhas de expressão das gargalhadas de momentos incríveis e de madrugadas de estudo…

E fico triste! Por saber que a humanidade está ficando cada vez mais fria a cada match, a cada curtida, a cada Tik Tok. As Fake News vão além da política… estão afetando os relacionamentos e até mesmo a  produção intelectual, artística e cultural…

O culto às aparências revela o vazio de conhecimento, de amor próprio e de amor com as pessoas que nos rodeiam. Consequentemente, apontam para relacionamentos vazios, sem comprometimento e sem entrega. Fato que gera um crescente quadro de frustrações e até de patologias desenvolvidas pela decepção com o ser humano.

A vida passa a ser uma busca utópica de felicidade E a felicidade é algo que brota do interior de cada indivíduo, bem como afirmou Drumond:

Que a felicidade não dependa do tempo, nem da paisagem, nem da sorte, nem do dinheiro. Que ela possa vir com toda simplicidade, de dentro para fora, de cada um para todos. Que as pessoas saibam falar, calar, e acima de tudo ouvir…”

Constata- se que a cada prato de comida e a cada paisagem postada ou a cada músculo exibido… representa uma vida que se almeja e não uma experiência de vida … até porque aquilo que realmente é vivido raramente é registrado…  Perdão… É registrado sim! Na memória… E esta, por sua vez, está em desuso.

Ana Daniele Holovaty Amaral, Pós graduação em História pela Unespar.

Os artigos publicados, por colunistas e articulistas, são de responsabilidade exclusiva dos autores, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Factótum Cultural.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: