Ir para conteúdo

Polícia matou 2,2 mil crianças e adolescentes nos últimos três anos no Brasil

Policiais Rio de Janeiro
Tânia Rego / Arquivo / Agência Brasil
Rio de Janeiro é o estado em que policiais mais matam crianças e adolescentes

Das vítimas, 69% são pretas ou partas; casos se concentram na faixa etária que vai dos 15 aos 19 anos

Entre 2017 e 2019, pelo menos 2.215 crianças e adolescentes foram mortos por policiais no Brasil. E o índice vem crescendo. Em 2017, as mortes na faixa etária entre 0 e 19 anos correspondiam a apenas 5% das execuções por policiais. No ano passado, subiu para 16%.

O levantamento foi feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública a pedido da Folha de S. Paulo.  Apenas unidades da federação que disponibilizam informações sobre a idade das vítimas foram levadas em consideração: Alagoas, Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo.

Rio de Janeiro encabeça a lista

Rio de Janeiro é o campeão em casos de letalidade policial nessa faixa etária, mesmo com metade dos registros sem informação de idade. Foram 700 mortos entre 2017 e o primeiro semestre de 2020.

Nem a pandemia foi capaz de amenizar os casos de violência policial a crianças e adolescentes no Rio. De janeiro a junho, 99 crianças e adolescentes foram mortos por policiais —27% na capital e 73% em outros municípios.

O estado responde por quase 40% das mortes de crianças e adolescentes decorrentes de intervenção policial no país e esse percentual mais que dobrou nos últimos dois anos.

São Paulo vem logo atrás. Em 2019, 120 crianças e adolescentes foram mortos pela polícia —53 na capital e 67 em outros municípios. Esse número, ao contrário do Rio, vem caindo, mas em 28% dos registros não há a idade da vítima.

Em seguida estão Pará e Paraná. O primeiro, com 102 mortes —o estado não registra idade em 26% dos casos. Já no Paraná, foram mortas 58 crianças e adolescentes por policiais em 2019. Atrás, Ceará, com 39 e Minas Gerais, 19.

Apesar das imprecisões nos dados disponibilizados pelos estados, o levantamento diz que pelo menos 69% das vítimas da letalidade policial entre crianças e adolescentes no país são negras (pretas ou pardas) e que os casos se concentram na faixa etária que vai dos 15 aos 19 anos.

Último Segundo. 14.12.2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: