Ir para conteúdo

Estudar para quê?

por Leandro Karnal

Olá, Leitor!

Se você é mãe, pai, responsável ou professor, é provável que pense na imensa tarefa de educar crianças e adolescentes.

Essa responsabilidade pode, por vezes, ser assustadora.

Afinal, quem sabe o poder da escola na definição do futuro de alguém certamente possui apreensões.

Não existe receita certa para educar.

Porém, vou trazer alguns dados objetivos para que cada mãe, pai, escola e professor possam acrescentar na visão de mundo e complementar (ou contradizer) o que proponho:

Primeiro: os aprendizes são educados da mesma maneira que alguém peca na liturgia católica, “por pensamentos e palavras, atos e omissões”.

Você educa pelo que diz, pelo que omite, pelo que faz e até por pensamentos (afinal, eles provocam marolas no olhar ou são pais de gestos concretos).

Ao dirigir, você está educando um filho que está na cadeirinha do banco de trás.

Ao entrar na sala de aula, sua roupa, seu tom de voz, sua postura, seu sorriso ou seu azedume estão educando.

O chamado “currículo oculto” é, quase sempre, o mais poderoso da educação.

Segundo, educação deve ser um equilíbrio entre o prazer lúdico que produz muito conhecimento e, por vezes, a insistência do esforço que não está acompanhado de resultado imediato.

Terceiro, a sala de aula e as atividades culturais declaradas são importantes, porém existe a autonomia do indivíduo.

O desejo de consumo, por exemplo, é quase igual para todos os alunos ao emergirem do Ensino Médio.

Quarto, se alguém de 14 anos fosse maduro e equilibrado, soubesse aprender por si e fosse sábio, pais e professores poderiam ser dispensados.

Educar é lidar com imaturidade, inconstância, crises artificiais, egoísmos, narcisos feridos, incapacidade de ver o outro e uma insegurança brutal que se traveste de arrogância.

Por fim, não cansarei de repetir: não educo para suprir dores da minha educação, para sublimar o que ouvi no passado ou para ressignificar minhas frustrações. 

Educo um ser único, especial, parte da minha biografia, todavia autônomo nas coisas boas e ruins. 

Educo para o futuro, educo-me junto, reaprendo valores, entendo que gerações anteriores tinham vantagens e defeitos e, por fim, pratico a suprema lição ecológica: amparar o animal selvagem ferido é, exclusivamente, para reinseri-lo na natureza. 

O grande objetivo de toda educação é liberar o educando no mundo selvagem e complicado. 

No segundo episódio do Universo Karnal, que vai ao ar hoje (sábado), você vai acompanhar os desafios e responsabilidades relacionados à educação e como eles foram escancarados e agravados pela pandemia. 

Mais do que instrução e garantia de trabalho, o conhecimento é a base para a formação de cidadãos autônomos e pensantes.

 Será que temos as ferramentas e a capacidade de aprender da melhor forma?

É o que vamos descobrir no programa.

Você também vai acompanhar o professor Karnal, de volta às suas raízes, em um passeio escolar com uma turma do sexto ano. 

Muitas aventuras estão por vir!

Programe-se: o segundo episódio do Universo Karnal será exibido neste sábado (09/07), às 23h15. Você pode assistir a ele pela televisão, na CNN Brasil, ou no YouTube do CNN Soft.

Clique aqui para assistir.

Uma ótima semana!

LK e Equipe K.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: