Ir para conteúdo

Budismo: a filosofia do equilíbrio do corpo e da mente

A data de nascimento de Sidarta Gautama, conhecido como Buda, é incerta. Mas, geralmente, o aniversário é celebrado em países asiáticos no dia 8 de abril.

No Japão, o Kanbutsue, o Festival das Flores, é realizado para comemorar o nascimento de Buda. E a tradição é banhar os bebês recém-nascidos com chá de hortênsias, no hanamido decorado com flores. Uma estátua de Buda aponta o céu com uma das mãos e a terra com a outra.

De acordo com a tradição, Buda nasceu em Lumbini (Patrimônio Mundial da Unesco) por volta do ano 566 a.C. e cresceu em Capilvasto. Ambas as localidades ficam hoje no Nepal.

Logo após o nascimento de Sidarta, um astrólogo visitou o pai do jovem príncipe, Suddhodana, e profetizou que Sidarta poderia tomar dois caminhos: ou se tornaria um grande rei ou renunciaria ao mundo material para se tornar um homem santo se conseguisse enxergar o mundo além do palácio.

O Budismo é uma religião de base filosófica, não teísta. Ou seja, se fundamenta nos ensinamentos de Sidarta Gautama, o Buda, sem vinculá-lo a uma forma divina. Não é Deus, mas, sim, um homem iluminado.

O Budismo é a quarta religião mais difundida no planeta, com mais de 520 milhões de seguidores.

Segundo a doutrina budista clássica, a palavra “buda” denota não apenas um mestre religioso em particular, mas toda uma categoria de seres iluminados que alcançaram tal realização espiritual. Pelo menos 25 são mencionados nas tradicionais escrituras budistas.

Atualmente, as referências ao Buda limitam-se ao mestre Sidarta Gautama. Ele seria, portanto, o último buda de uma linhagem de antecessores cuja história perdeu-se no tempo.

De acordo com as Quatro Verdades Nobres, a meta do Budismo é a superação do sofrimento (dukkha) causado pelo desejo e pela ignorância. Busca-se o Nirvana, a libertação do sofrimento.

A base da tradição budista é formada pelas Três Joias: o Buda (mestre), o dharma (ensinamentos da Lei do Universo) e a sangha (comunidade budista).

A Roda do Dharma simboliza os ensinamentos de Buda sobre os caminhos que levam à Iluminação. Também é conhecida como Roda da Doutrina, Roda da Lei ou Roda da Vida.

Os monges renunciam à vida secular, dedicam-se à meditação e cultivam as chamadas “paramitas”, perfeições do ser: generosidade, sabedoria, serenidade, honestidade e esforço, entre outras virtudes.

O Budismo tem preceitos a serem seguidos: Não Matar, Não Roubar, Não Manter Condutas Sexuais Impróprias, Não Mentir Nem Falar Com Falsidade.

Não Vender Bebidas Alcoólicas, Não Veicular as Faltas da Assembleia, Não Se Louvar Depreciando os Outros.

Não Ser Avarento Nem Abusivo, Não Alimentar Raiva e Ressentimento, Não Caluniar as Três Joias (Buda, Dharma e Sangha).

As mãos de Buda carregam importante significado. Os cinco dedos estendidos na mão direita significam generosidade, moralidade, paciência, esforço e concentração.

A mão direita levantada, com os dedos para cima; e a mão esquerda pousada, com a palma para fora indicam coragem.

O gesto Karana com dedo indicador e mindinho voltados para cima – e os outros dedos dobrados sobre a palma – representa o afastamento do mal e das energias negativas.

Quando as extremidades do polegar e do dedo indicador se tocam para formar um círculo, isso representa o conhecimento e o fluxo interminável de energia.

Quando as duas mãos estão pousadas no colo, a parte de trás da mão direita sobre a palma da mão esquerda, isso representa a meditação que leva à sabedoria.

O Budismo é praticado em vários países, mas sua maior concentração é no Japão, China, Tailândia e no Tibete, região autônoma da China na parte norte do Himalaia. Também tem muitos seguidores no Sri Lanka, Índia e Coreia.

O Brasil abriga a maior colônia de japoneses e descendentes fora do Japão, mas essa comunidade nipônica , em sua maioria, é católica. O Censo mostrou que o país tem 245 mil budistas. Na foto, o Templo Budista da cidade de Cotia (SP).

Muitas pessoas confundem movimentos como a Perfect Liberty, a Igreja Messiânica, a Happy Science e a Seicho-No-Ie com o Budismo. Mas não há qualquer relação. Na foto, estupas no templo budista na cidade de Três Coroas (RS).

Em muitas estátuas, Buda está (sentado ou em pé) sobre uma flor de lótus. A planta tem forte simbolismo na doutrina. Representa a pureza do corpo e da mente.

MSN. 8.4.2022.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: