Ir para conteúdo

O mito do “bom nazista”

por Leandro Karnal

Speer e Hitler
Membros do Governo de Flensburg sendo presos. Speer (à direita) caminha com Alfred Jodl e Karl Dönitz.

No artigo desta semana quero propor uma reflexão e, sobretudo, estimular o pensamento crítico sobre um importante tema: nazismo.

Para isso, a partir de agora, conduzo você à seguinte história:

Albert Speer nasceu em 1905, em Mannheim, na Alemanha imperial. A Grande Guerra (1914-1918) trouxe a crise.

Albert foi estudar arquitetura no Instituto de Tecnologia de Karlsruhe, com sacrifícios altos para a família em meio ao caos econômico da década de 1920.

Em 1931, dois anos antes de Hitler chegar ao poder, Albert Speer filiou-se ao Partido Nazista.

Quando o partido conquistou o Reich, o arquiteto começou a ter ideias sobre desfiles e comícios.

Speer tinha a intuição teatral que soava como grandiosa para o círculo supremo em Berlim.

O arquiteto era cordato. Sabia que Adolf adorava a teatralidade wagneriana de imensos holofotes com luz potente projetada para os céus, com referências arquitetônicas clássicas, de ordem e de combate à estética da Bauhaus.

Logo, a ligação dos dois foi instantânea.

Speer e Hitler
 Speer e Hitler em uma tomada de decisão de um projeto arquitetônico.

O cabo queria refazer Berlim como uma “nova Roma”. Em 1937, o fiel arquiteto fez o pavilhão alemão na exposição de Paris.

A obra ficava, ironicamente, em frente ao pavilhão soviético. Speer soube dos planos russos e fez um prédio mais alto que parecia barrar a expansão do socialismo. Hitler adorou!

Veio a guerra. Albert Speer dirigiu seus esforços para uma engenharia militar de pontes e de estradas. 

O conflito transformou o arquiteto em Ministro de Armamentos.

Seus serviços de arquiteto também foram solicitados para expansões dos campos de morte durante o Holocausto.

A destruição foi se aproximando de Berlim.

Hitler deu o passo final da sua incapacidade de lidar com o real: fez um testamento.

O arquiteto visitou uma última vez seu mentor no bunker e declarou sua fidelidade. 

Terminado o horror, o arquiteto era um prisioneiro de guerra.

No julgamento de Nuremberg, a defesa dele foi sempre a mesma.

Era um artista que prestou serviços ao Reich. Nunca soube de nada sobre o Holocausto, dizia. Discordava da crueldade dos líderes nazistas. Queria apenas construir prédios.

Funcionou parcialmente. Não foi condenado à morte nem à prisão perpétua. Cumpriu a pena de 20 anos em Spandau, ao lado de outros nazistas.

Preso, o arquiteto lia compulsivamente e se dedicou a fazer um lindo jardim no pátio.

Escrevia muito e, nas suas memórias, voltava aos argumentos utilizados no tribunal. Em 1966, foi libertado.

Os 21 anos seguintes foram dedicados a construir o mito do “bom nazista”. 

Deu entrevistas (até para a Playboy!) e escreveu muito. Tratava jornalistas com extrema cordialidade.

Reforçava o “mito Speer”: o artista engolfado por sádicos sem consciência do mal ao seu redor. 

Poucos acreditam hoje no mito do bom nazista. 

Se existe uma lição na biografia de Albert Speer, é que ninguém faz parte de um governo sem ser responsável, inclusive pelos crimes.

Não existe “nazista bom”. Ao virar ministro de um poder que anuncia a violência como recurso regular, seu emprego passa a ser mais do que uma aspiração profissional. 

 Não há como fazer o bem em um governo mau. Isso vale para qualquer época. 

LK e Equipe K.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: