Ir para conteúdo

Entenda o languishing: entorpecimento da vida e sensação de vazio

É um adoecimento novo e, por isso, ainda há dificuldade para identificar esse fenômeno psicológico. -  (crédito: Stefan Keller/Pixabay)
É um adoecimento novo e, por isso, ainda há dificuldade para identificar esse fenômeno psicológico. – (crédito: Stefan Keller/Pixabay)

Da pandemia emergiu o languishing, termo para denominar um sentimento persistente de apatia, desânimo e falta de motivação.

Não é tristeza, não é cansaço, não é depressão… É mais um desânimo, uma desmotivação, a sensação de carregar um peso invisível e constante, um coração apertado, respiração difícil e uma alma vazia em um corpo que luta para se reencontrar, que há muito tempo não se vê, não se sente… É doído.

Esses sentimentos e sensações definem o languishing, definhando, o mais novo transtorno da saúde mental aflorado com a instalação da pandemia, em 2020.

Em alguns momentos da vida, todos lutamos contra a desmotivação, mas o que preocupa é quando ela se instala, quando a apatia toma conta do dia a dia e perde-se força e energia para se mobilizar por algo e por si mesmo, muitas vezes nem sequer tendo noção do que está vivendo, já que, aparentemente, tudo está bem com a saúde física/clínica, há trabalho, alimentação correta, casa, segurança, boletos em dia. É um adoecimento novo e, por isso, ainda há dificuldade para identificar esse fenômeno psicológico.

“”Comentários do tipo ‘mas você tem saúde física, tem emprego, tem tudo’ podem fazer efeito contrário e a pessoa se sentir mal e ingrata. O languishing ainda não é classificado pelos manuais diagnósticos de psiquiatria como um transtorno. Ele é caracterizado por sintomas pontuais de vários transtornos, como o burnout, depressão, estresse agudo, como a desmotivação, a falta de foco e concentração, a sensação de apatia””Christiane Ribeiro, médica psiquiatra e membro da Comissão de Estudos e Pesquisa em Saúde Mental da Mulher da Associação Brasileira de Psiquiatria


Uma parcela da população mundial já lida com as consequências da apatia persistente, marcada, substancialmente, pela sensação de vazio que determina o languishing. Sensação que não passa, perdura dia após dia. É como se a pessoa estivesse no limbo, num estado de indecisão, incerteza, indefinição e nada a movesse para sair desse lugar. É viver o desalento e o desamparo.

O termo foi cunhado pelo psicólogo e sociólogo americano Corey Keyes, que ficou impressionado com o fato de que muitas pessoas que não estavam deprimidas também não estavam prosperando.

Na pesquisa que conduziu, ele constatou que as pessoas com maior probabilidade de sofrer grandes transtornos de depressão e ansiedade na próxima década não são as que apresentam esses sintomas hoje, mas aquelas que estão definhando agora.

Adam Grant, psicólogo organizacional da Wharton, escreveu a respeito na versão digital do The New York Times e afirmou: “Na psicologia, pensamos em saúde mental em um espectro que vai da depressão ao florescimento. O florescimento é o pico do bem-estar: você tem um forte senso de significado, domínio e importância para os outros. A depressão é o vale do mal-estar: você se sente desanimado, esgotado e sem valor. O definhamento é o filho do meio negligenciado da saúde mental. É o vazio entre a depressão e o florescimento – a ausência de bem-estar. Você não tem sintomas de doença mental, mas também não é a imagem da saúde mental. Você não está funcionando em plena capacidade. O definhamento entorpece sua motivação, interrompe sua capacidade de se concentrar e triplica as chances de você reduzir o trabalho. Parece ser mais comum do que a depressão maior – e, de certa forma, pode ser um fator de risco maior para doenças mentais.”

O languishing é como se entorpecesse a pessoa de qualquer motivação, propósito, foco. E não o confunda com esgotamento ou falta de esperança, as pessoas ainda têm energia, mas se sentem sem alegria, sem objetivo, estagnadas e essas emoções as dominam.

Como tratar, curar, reverter e lutar diante das consequências emocionais e mentais que a pandemia desencadeou, que tendem a perdurar e não podem ser negligenciadas, postas debaixo do tapete, menosprezadas ou apontadas como mimimi?

Respostas buscadas de especialistas ao longo desta reportagem. Para Adam Grant, o definhamento não está apenas em nossas cabeças – está em nossas circunstâncias. Você não pode curar uma cultura doente com bandagens pessoais.

“Ainda vivemos em um mundo que normaliza os desafios da saúde física, mas estigmatiza os desafios da saúde mental. À medida que nos aproximamos de uma nova realidade pós-pandemia, é hora de repensar nossa compreensão de saúde mental e bem-estar. ‘Não deprimido’ não significa que você não está lutando. ‘Não triste’ não significa que você está empolgado. Ao reconhecer que muitos de nós estão definhando, podemos começar a dar voz ao desespero silencioso e iluminar um caminho para sair do vazio.”

Prazeres da vida

Christiane Ribeiro, médica psiquiatra, doutoranda em medicina molecular pela UFMG e membro da Comissão de Estudos e Pesquisa em Saúde Mental da Mulher da Associação Brasileira de Psiquiatria, alerta que, antes de mais nada, quem percebe a instalação do languishing deve buscar ajuda especializada e acompanhamento psicológico inicialmente e, caso necessário, psiquiátrico.

Segundo ela, é importante tentar recomeçar as tarefas que foram paralisadas nesse contexto de definhamento aos poucos, e fazer um exercício de tentar se lembrar dos prazeres e do que o movia no passado. Exercitar-se, mesmo com uma frequência menor do que a realizada anteriormente.

Manter contato com as pessoas queridas e próximas, mesmo que no on-line e, se possível e em segurança, caso não seja grupo de risco, permitir-se alguns encontros com os mais próximos, em local aberto, tomando todos os cuidados diante da covid-19. “A pandemia já vem se arrastando e, infelizmente, é impossível manter a sanidade mental isolados, sem nenhum contato social, o que seria viável caso ela durasse apenas alguns dias.”

A psiquiatra destaca que fatores como resiliência, traços de personalidade e tendência genética influenciam o impacto que a pessoa sofrerá com as mudanças na rotina e o maior estresse. Um bom suporte social e familiar também é importante.

A pessoa que já teve um histórico de transtorno de ansiedade e depressão seria considerada mais predisposta. “Percebo na prática que as pessoas mais sociais e extrovertidas apresentam mais os sintomas de languishing, uma vez necessário o isolamento e a diminuição dos encontros sociais.”

Christiane Ribeiro lembra que mais importante do que ter que provar que sente dor é buscar conversar com algum especialista, pois infelizmente as pessoas são limitadas e, nem sempre, por mais bem-intencionadas, se abrir com amigos ou familiares vai ajudar.

“Comentários do tipo ‘mas você tem saúde física, tem emprego, tem tudo’ podem fazer efeito contrário e a pessoa se sentir mal e ingrata. O languishing ainda não é classificado pelos manuais diagnósticos de psiquiatria como um transtorno. Ele é caracterizado por sintomas pontuais de vários transtornos, como o burnout, depressão, estresse agudo, como a desmotivação, a falta de foco e concentração, a sensação de apatia. Embora a depressão e o languishing possam se apresentar de maneira semelhante, existem diferenças distintas.

Quarta onda da pandemia: o da saúde mental

Ainda que tenha ganho luz agora, no meio da pandemia, Christiane Ribeiro enfatiza que os sintomas do languishing, o principal deles a sensação de vazio, com certeza já existia antes da covid-19, mas com as consequências negativas na saúde mental nesse período houve uma piora.

As pessoas se isolaram mais, e o clima de tensão e ansiedade gerou preocupações constantes. Além disso muitas formas de alívio utilizadas anteriormente, como sair e estar em família, viajar, ir à academia e até mesmo encontrar os colegas de trabalho em um happy hour, já não seriam possíveis.

Christiane Ribeiro faz um alerta, que já estão de sobreaviso toda a classe médica e profissionais da saúde, não só em BH como no mundo: “Acredito que não só a nossa cidade, mas o mundo não está preparado para esta nova onda da pandemia, que alguns autores inclusive classificaram como a ‘quarta onda’, que seria considerada a das consequências e impactos negativos na saúde mental das pessoas durante o longo período de pandemia. Temos ótimos locais de atendimento pelo SUS em Belo Horizonte, principalmente na urgência, mas infelizmente a distribuição é heterogênea e os locais estão cada vez mais lotados”.

Na prática, segundo a especialista, conseguir realizar o acompanhamento ambulatorial ainda é um desafio: muitas unidades básicas de saúde não têm profissional de psicologia e se encontram superlotadas, não sendo possível a realização de retornos próximos. O teletrabalho também poderia contribuir para a piora dos sintomas do languishing uma vez que restringe mais ainda o contato social, além de aumentar a sensação de tédio e “falta de lugar”.

Sintomas distintos

  • Depressão: tristeza constante, humor deprimido, choro fácil, alterações no apetite, sentimentos de inutilidade e pensamentos de morte ou suicídio.
  • Languishing: a pessoa passa a se sentir estagnada, vazia e monótona, alguns pacientes o descrevem como “não me sinto bem, e nem muito mal”, ou “não consigo sentir mais prazer e nem me sinto triste”.

Fonte: Christiane Ribeiro, médica psiquiatra

As duas fontes principais de motivação

  • Interna: que vem do nosso propósito de vida, das nossas crenças e valores.
  • Externa: vem do ambiente em que vivemos e do possível reconhecimento social. A motivação externa pode ser dinheiro, fama, aprovação dos outros, etc.

Fonte: Mundo Psicólogos.pt

Por que você se sente desmotivado?

  1. Falta de autoconfiança: quando alguém acredita que não é capaz de fazer algo ou está convencido de que não pode tolerar o sofrimento associado a uma determinada tarefa, é muito provável que seja difícil estabelecer metas e persistir para alcançá-las.
  2. Evitar algum tipo de desconforto: muitas vezes, a falta de motivação é uma forma de se proteger de sentimentos desconfortáveis como, por exemplo, a frustração. Isso ocorre principalmente quando a meta é difícil de alcançar.
  3. Falta de compromisso: quando tem que fazer uma tarefa porque é obrigado ou por causa da pressão social. Se não há um desejo real de alcançar um objetivo, é impossível haver motivação.
  4. Estar sobrecarregado: se está numa fase em que tem de resolver muitos problemas ao mesmo tempo, é natural que se sinta estressado e este sentimento pode matar a motivação.
  5. Problemas de saúde mental: a falta de motivação é um sintoma comum de depressão (e no languishing). Pode também estar relacionada com outros transtornos psicológicos, como a ansiedade.

Fonte: Mundo Psicólogos.pt

Como agir para se motivar?

  1. Haja como se estivesse motivado: enganar o cérebro pode mudar as emoções e consequentemente aumentar a motivação. Em vez de ficar sentada no sofá à espera de motivação, pergunte-te: o que eu estaria fazendo se estivesse motivado? Depois, tente fazer cada uma dessas tarefas. Embora no início a motivação não seja genuína, sair da inércia o fará bem e este sentimento pode te levar a encontrar uma verdadeira motivação para mudar o seu estado de espírito.
  2. Pensa positivo: quando se está desmotivado, é natural que os pensamentos negativos dominem a mente. Isso não o deixa avançar. Assim, presta atenção no que pensa e tenta substituir cada pensamento negativo por um positivo. Se pensa que vai falhar em uma tarefa, faça uma lista mental com as razões pelas quais tudo pode dar certo. Ter uma visão mais equilibrada do que pode acontecer vai te ajudar a estar mais motivada para tentar.
  3. Use a regra dos 10 minutos: se tiver uma tendência para procrastinar, essa estratégia simples pode ser útil. Dê a si própria permissão para deixar uma tarefa após 10 minutos. Quando chegar a esta marca, se pergunta se quer continuar ou parar. É provável que continue. Se não tiver motivação para começara fazer um relatório chato do trabalho ou se não conseguir sair do sofá para ir ao ginásio, use essa regra para se motivar. Verá que começar é muitas vezes a parte mais difícil.
  4. Estabeleça uma recompensa por cada dever concluído: crie pequenas recompensas pelo trabalho realizado. Essa estratégia irá te ajudar a estar motivado para atingir as suas metas. Por exemplo, se estiver desenvolvendo um projeto de trabalho importante, mas não tiver motivação para concluí-lo, trabalha durante uma hora e depois te permita olhar as redes sociais durante cinco minutos. No entanto, tenha certeza de que as recompensas não sabotam os teus esforços. Recompensar o trabalho árduo no ginásio com um donut é contraproducente. E irá diminuir a tua motivação a longo prazo.
  5. Acrescenta pequenos prazeres nas tarefas chatas: acrescenta um pouco de diversão a algo que não estás motivada a fazer: ouça música enquanto corre, telefona para um amigo enquanto limpa a casa, acenda uma vela perfumada durante o trabalho, saia para comer num bom restaurante numa viagem de negócios. Certifique-se apenas que a diversão não afeta seu desempenho. Por exemplo, ver televisão enquanto estuda pode lhe distrair e até te levar a parar de estudar.
  6. Cuida-te: uma dieta pobre em nutrientes, a falta de sono e de tempo livre são alguns dos fatores que podem prejudicar a motivação. Portanto, cria um plano de autocuidado e não se esqueça de: fazer exercício físico regularmente, dormir a quantidade de horas necessárias para um sono reparador, beber água e manter uma dieta saudável. ter tempo para o lazer e a diversão e passar um tempo com pessoas queridas.
  7. Busca ajuda de um psicólogo: se mesmo após seguir esses passos a desmotivação persistir, procura a ajuda de um médico e de um psicólogo. O médico irá verificar se não há nenhuma condição física que está afeta seu estado de espírito. E o psicólogo será capaz de avaliar se a apatia e o desânimo estão relacionados com quaisquer problemas de comportamento e as questões que perpassam a vida do ser humano, visa compreender os sentimentos, as emoções, as impressões e outras questões inerentes a uma pessoa.

Fonte: Mundo Psicólogos.pt

Correio Braziliense. 30.1.2022.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: