Ir para conteúdo

Convite ao olhar

Por Iara Aparecida Dams

O Olho é uma espécie de globo,
é um pequeno planeta
com pinturas do lado de fora.[1]

Cecília mais uma vez vem e poetisa algo tão inusitado porém cheio de significado: os olhos. Pequenos planetas, de diversas cores, portas da alma e da verdade, mas que são reflexos do universo que orbitam. É possível saber muito sobre uma pessoa olhando em seus olhos, mais ainda vendo como eles interagem, são como bolas de cristal para quem tem o dom da leitura.

Na literatura sempre há certo peso na personagem que tem o olhar marcante. Temos como ícone o exemplo de Capitu[2], dona dos olhos de cigana obliqua e dissimulada que capturam e prendem Bentinho. Ou pelo padre Amaro[3] com Amélia que vivem um amor trocando olhares enquanto D. Joaneira toma chá.

Porém, estive em uma conversa filosófica com meus alunos sobre o ato de ver e olhar, como vemos o mundo mas não conseguimos realmente olhar as coisas que estão à nossa volta. Parece ser tão complicado ver e vivenciar a realidade, estamos a todo momento mascarando as verdades e embelezando as cenas para se tornarem favoráveis ao que buscamos.

E quem se mostra grande aliada neste ato de embelezamento do olhar é a globalização, que veio trazendo uma outra realidade, como um universo paralelo, onde as pessoas vêem a necessidade de ter uma vida bela e feliz. Cria-se uma pintura perfeita, uma história com uma grafia um tanto errônea, porém capaz de encantar os olhos de quem acompanha.

As pessoas optam pelo que querem vislumbrar e viver, sendo possível ignorar tudo aquilo que fere o estereótipo que cada um escolheu para protagonizar. Mas, por trás das máscaras alegóricas não é difícil encontrar as cicatrizes e dificuldades que tornam cada pessoa um ser humano.

Não somos deuses, somos humanos. 

Não digo que não existe a possibilidade da alegria plena, mas que nós devemos aprender a olhar para além do que nos agrada e a ler os olhares com os quais convivemos. Já dizia Clarice Lispector: “cada ser é um mundo”,  e, eu acredito que os olhos são a porta de entrada para todos eles.

Para além das pessoas, eu desejo que este texto incentive cada leitor a olhar e vivenciar tudo à sua volta, desde as cores que que pintam o seu mundo, até os detalhes que o tornam único. Olhe as pedras no meio do caminho e as flores que nascem entre as rachaduras.

Permito-me ainda fazer um adendo e dizer que olhar é um início, fazer é o próximo passo em uma longa caminhada que não precisa transformar todo o mundo, mas deve te motivar a viver melhor no seu mundo.

Para onde você vai voltar seu olhar agora?


[1]MEIRELES, Cecília. Mapa de anatomia: o olho.

[2]ASSIS, Machado de. Dom Casmurro.

[3]QUEIROZ, Eça de. O crime do padre Amaro.

Iara Aparecida Dams, Professora do ensino fundamental I no Colégio Santos Anjos – PU. Graduada em Letras: Português/Espanhol (UNESPAR). Pós-graduada em Alfabetização, Letramento e Literatura Infantil (UNINA). Cursando Pedagogia (UNIASSELVI). Poetisa e escritora. Colunista do Factótum Cultural.

Os artigos publicados, por colunistas e articulistas, são de responsabilidade exclusiva dos autores, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Factótum Cultural.

Um comentário em “Convite ao olhar Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: