Ir para conteúdo

Tudo bem não estar bem

Por Illyana Magalhães

Mudança de vida, como fazer? 🤔 | Lifestyle Strategy | Ian Borges

Ao som de ‘’We are the champions’’, do Queen, eu limpava o banheiro da casa mais próxima. O ‘’mop’’ (item de suma importância na limpeza britânica), que até então seria para limpar o chão, serviu-me como um microfone. E eu dançava no banheiro masculino, mexendo os pés imitando o Freddie Mercury na sua mais singular performance. Foi incrível sentir essa sensação de imensa alegria, mesmo fazendo algo que me é extremamente incomum. Afinal, eu ocupava uma função de advogada e mudei para outra, completamente distinta.

Vou relatar a minha experiência e espero que lhe seja útil. No começo foi difícil sair do patamar anterior, ainda que medíocre, e me despir dessa veste de advogada interiorana com alguns títulos também medíocres. Para ser honesta, até ontem eu validava os meus relacionamentos a partir do nível de ‘’inteligência’’ do cidadão, nível esse que era medido através do currículo lattes. Sim, leitores, eu cometia essa tremenda burrice. Felizmente, com as análises de consciência que a solidão me proporciona aqui, pude rever quase que integralmente as minhas crenças e predileções.

Até ontem estive sentada em boas mesas, sendo chamada pela alcunha que eu detesto de ‘’doutora’’, com o ego inflado, conversando com pessoas que desfrutavam das mesmas condições que a minha. Hoje, mesmo não desfrutando do que ontem desfrutava, sinto-me muito mais realizada. Eu não precisava do título, não precisava da função que colocava alimento na minha geladeira. Eu precisava de pouco e talvez você também precise.  

E então, eu pergunto a você: o que você precisa? O que você precisa para ser feliz? Eu, Illyana, preciso de livros, de cultura, preciso de pessoas interessadas pela vida e por cultura e de paz. Todas essas coisas eu já tinha no Brasil (bom, nem todas), mas confesso que tais exames de consciência que me fizeram alcançar o resultado final só me foram proporcionados estando fora do país.

Embora tenha relatado sobre a minha insatisfação acerca da imensa quantidade de leituras inúteis nas quais fiz, não posso desconsiderar que algumas me foram importantes e aqui incluo um parágrafo de Drummond que reflete muito bem o que quero dizer. Vamos lá:

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.”

Eu sempre via esse texto na biblioteca de Colatina. Ele ficava justamente na minha frente, como se estivesse esperando o momento certo para surtir efeito. E, veja bem, ele fez. Assim como a maioria do conhecimento que adquiri até o momento.

As roupas que você veste hoje lhe são uteis ou será preciso despir-se para, então, sair da margem de si mesmo? Sendo mais clara: a travessia foi feita? A minha foi fundamental. Hoje, inclusive, não posso dizer que sou a mesma pessoa que cruzou o oceano para chegar até a Europa**.

Não posso afirmar que seja uma travessia completamente feliz, pois o amadurecimento requer sofrimento. E, está tudo bem não estar bem o tempo inteiro. O importante é não ser inerte frente a essa insatisfação. Afinal, algo precisa ser feito e isso depende unicamente de ti.

Faltou-me, e eu descobri isso precocemente, um diálogo sincero com meu ego frágil. Hoje, felizmente, não necessito de nada que não seja bons amigos, bons livros, cultura e paz.

Espero que meu texto tenha sido útil no sentido de você utilizar a minha experiência para rever a sua vida e evitar dissabores. Quem sabe futuramente você não esteja dançando assim como eu e possa capitalizar os lucros dessa empreitada sendo sósia do Freddie Mercury? Nunca se sabe. heheeh

** Quando coloquei os pes no Reino Unido, ela ainda fazia parte da Europa. Hoje nao mais. Eis o motivo dos asteriscos.

Illyana Magalhães é advogada, aspirante a filósofa e escritora. Colunista do Factótum Cultural.

Os artigos publicados, por colunistas e articulistas, são de responsabilidade exclusiva dos autores, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Factótum Cultural.

Um comentário em “Tudo bem não estar bem Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: