Ir para conteúdo

Que o vento te sopre este sussurro

Por Bárbara Silvestre

Resultado de imagem para filosofia senso comum

A Filosofia se constituiu a partir do estranhamento para com o mundo.

Estranhamento possível pela observação dos fenômenos à nossa volta.

Tais fenômenos foram (e são) observados, questionados e (poucas vezes) resolvidos ou concluídos.

Essa é a estrutura da filosofia, mas o seu desenvolver se dá por um rigor filosófico, que resumidamente pode ser compreendido como o elemento essencial para que o intelectual não construa sua teoria sustentada em uma lógica rasa e falaciosa, muitas vezes baseadas em errôneas e falsas informações.

Assim, um sistema argumentativo excepcionalmente elaborado é o que sustenta essa tão amada disciplina e, ao mesmo tempo, é o que a dificulta diversas vezes para a compreensão do senso comum.

Entretanto, esse mesmo senso comum, que não possui a mesma exigência rigorosa da filosofia, carrega humildemente em suas costas, diversas sábias considerações também construídas a partir da observação dos fenômenos à nossa volta e do estranhamento para com o mundo.

Entenda leitor, o senso comum que produz os sábios ditados populares não compete com a filosofia, pelo simples fato de não almejar o título de disciplina.

Contudo, suas sábias e singelas observações podem e devem ser analisadas filosoficamente.

Assim posto, analisaremos um ditado popular que muito me agrada: “Quanto mais vazia é a carroça, maior é o barulho que ela faz.”

Tal conclusão surgiu, em algum momento da história da humanidade, pela observação e, não tão obvia comparação, do barulho produzido entre carroças que passavam carregadas e as carroças que passavam vazias.

Mas o que nos cabe como moral da estória está na seguinte metáfora transmitida de geração para geração: assim como acontece com as carroças vazias em seus conteúdos, acontece com o ser humano; quanto mais alto ele gritar, esbravejar e impor as suas verdades, mais falsas, rasas e infundadas tais “verdades” tendem a ser.

Observem, rigorosamente, a maior parte do conteúdo transmitido pela maioria dos atuais formadores de opinião em alguns jornais, poucos livros e muitas mídias digitais.

Cheios de certezas e verdades, bravejam dogmaticamente pelos quatro quantos como a sociedade é e deve ser; em fórmulas mágicas entregam para os seus seguidores o conteúdo pronto de como eles devem agir, pensar e compreender o mundo que os rodeia.

Ah, e se algum discípulo ousar questionar tais “verdades” ele será humilhado, escorraçado e cancelado; considerado indigno, limitado intelectualmente.

Afinal, o objetivo é construir falaciosas certezas, e não dignas incertezas; criando um ambiente alienador que aceite como verdade o que é dito por esses grandes mestres barulhentos, de egos copiosos e miseráveis conteúdos.

Com intelectualidade duvidosa, esses indivíduos podem ser analisados a partir da seguinte frase kantiana: “Avalia-se a inteligência de um indivíduo pela quantidade de incertezas que ele é capaz de suportar.”

Particularmente, o extravagante barulho dessas carroças vazias me emudeceram; a alienação fantasiada de intelectualidade me entristeceu; e assim, dormi por meses seguidos na companhia do monstro ditatorial e castrador da criatividade e do ânimo.

Mas assim como outro sábio ditado popular que afirma que “não há noite escura que dure para sempre”, estou hoje aqui escrevendo para você leitor, que não está à procura de fórmulas mágicas sobre como encarar o mundo a sua volta, muito menos da alienação dogmática de como formar as suas opiniões.

Não ser barulhento não é sinônimo de silenciar.

E eu não desejo que silenciemos.

Pelo contrário, almejo que reflitamos e exercitemos, juntos, a nossa capacidade intelectiva, reagindo ao esbanjador barulho das carroças vazias com o soberano sussurro questionador da Filosofia, a poderosa consoladora de Boécio e de tantos outros sábios que, com almas inquietas, recusaram a alienação intelectual.

Bárbara Silvestre é Mestranda em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Bacharela em Filosofia pela Faculdade de São Bento de São Paulo. Escritora e Colunista do Factótum Cultural.

Facebook: @brbarasilvestresilvestreoficial.

Instagram: @barbarasilvestreoficial.

Twitter: Silvestre_Babi.

Os artigos publicados, por colunistas e articulistas, são de responsabilidade exclusiva dos autores, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Factótum Cultural.

Bárbara Silvestre Ver tudo

Sou Bacharel em Filosofia pela Faculdade de São Bento de São Paulo. Estou cursando o Mestrado em Filosofia com ênfase em Teoria do Conhecimento pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: