Ir para conteúdo

Um Sopro de Vida

Por Pâmela Bueno Costa

É necessário ter o coração em chamas para manter os sonhos aquecidos.

Acenda fogueiras. [1]

As estrelas são butucas que, da imensidão,

piscam e alumiam os sonhos da aldeia.[2]

escreverei aqui em direção ao vento…

É quase final de dezembro, de um ano marcado por muitas tristezas e luto. Luto também em sentido de verbo, pois a luta foi constante. Estamos encerrando um ciclo, mas o que esperar do ano que vai iniciar? Olhos marejados, lembrando de todas as coisas que aconteceram este ano. A vida continua, apesar de tudo. Mesmo que os azuis não estejam presente, precisamos lembrar que: “sei que além das cortinas são palcos azuis e infinitas cortinas com palcos atrás”, nessa canção Vida, de Chico Buarque, aprendemos que a vida é mistério e sempre há algo para ser descoberto e experimentado, no entanto, sempre  fica algo  que nos escapa.

Certo ditado diz: “ a vida só é bonita porque acaba”? Será que ela acaba?

O que esperançar?  Não podemos perder a esperança por dias melhores, embora olhando para o mundo real – que não podemos trocar de canal; o desespero surge. Vida, pisa devagar”! Fomos pisoteados, amassados, mas ainda podemos respirar. Olhamos para a realidade e vivenciamos o olhar de ódio, violência, racismo, sexismo, uma sociedade marcada pela banalidade do mal, como conceituou Hannah Arendt, no século XX, analisando o caso de Eichmann, em Jerusalém. Essa banalidade virou uma boçalidade do Mal, parafraseando Hannah, Eliane Brum afirma que graças ao fenômeno da internet podemos acessar o que os outros pensam e é aterrador saber que os vizinhos, com os quais trocamos amenidades no elevador, na rua, no mercado são a favor do linchamento dos homossexuais, são racistas, xenófobos, sexistas e a lista é grande.  Estamos vivendo em um espiral de ódio!. Como acabar com todo esse ódio ao outro? Como fazer o amor viver novamente?  Como acabar com as amarras do desencanto?

Não é pessimismo dizer que são tempos sombrios.  Não sabemos em quem confiar e o que esperar do outro. Estamos sempre diante de um mistério que não pode ser revelado.

Como escreve Clarice, “isso não é um lamento, é um grito de ave de rapina” (LISPECTOR, 1999, p. 13). Por que escrever? A vida é uma loucura, mas escrever é como um alívio imediato, chover em palavras é, de alguma forma tentar desabrochar, sentimentos não vão para o papel, mas: “eu escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida” (LISPECTOR,1999, p. 16).  Viver é mágico e inteiramente inexplicável. Temos em nós um sopro. E aqui, neste momento,  convido você, caro leitor, a mergulhar e ver outros azuis na cena, da  história do sopro de vida, voando em outros céus… Voando em

paraquedas coloridos:

“vamos pensar no espaço não como um lugar confinado, mas como o cosmos onde a gente pode despencar em paraquedas coloridos”[3]

Uma pausa. Você sabe quem é Iku?  Um dos mais belos orixás, de beleza inebriante, mas que ficou com uma tarefa difícil. Ele ficou encarregado de finalizar a vida retirando o emi. Reza a lenda, que Olodumare, o deus maior, deu a Obatalá uma tarefa – a da criação. Ficou  dito que deveria povoar o Ayê – o mundo visível. Diante de tal tarefa, pensou e assim projetou, criou os seres humanos, a partir do barro primordial, pedindo a autorização da orixá mais velha, Nanã. Portanto, depois de serem moldados, faltava algo, e  para finalizar a criação, receberam o emi – o sopro da vida.

A vida é tão rara – um ciclo, “ porque a própria vida já vem mesclada ao erro” (LISPECTOR, 1999, p. 19). Viver nos deixa trêmulos? E, esse tremor que desperta o espanto e o pensamento encantado. Na crença dos Iorubás, a vida é aprendizagem e a morte faz parte do ciclo de crescimento espiritual. Se a vida é ciclo, nessa forma de cosmovisão, podemos perceber os ciclos de passagem pela  vida –  vida essa que não acaba, pois as pessoas não morrem, ficam encantadas. Para o processo de travessia do plano visível para o invisível, Iku, ficou encarregado de manter o ciclo da criação, assim, “Iku vem todos os dias ao Ayê para escolher os homens e mulheres que devem ser reconduzidos ao Orum” (SIMAS, 2019. p. 64). Nesse sentido, não podemos deixar a vida escassa. Isso quer dizer que precisamos compreender os ciclos e romper com a vida ensinada, que reivindica a marcação de um tempo único. Não queremos uma vida marcada pela invisibilidade das matas, dos rios, dos quintais, dos becos, vielas, da ginga e euforia das crianças. Isso significa dizer que não queremos uma vida desencantada: “a vida aprisionada no humano e a natureza como mero recurso” (SIMAS, RUFINO, HADDOCK-LOBO, 2020, p.91). Essa é a lógica dominante de séculos. Mas,  ainda há tempo de recuperar os sonhos perdidos, sonhar é preciso, e fazer valer nosso sopro.

sonhar, pois é preciso!

Na margem, em travessia, reconhecer o significado de ser – e estar sendo.  Temos a tarefa com o nosso sopro vital de pintar céus coloridos e outros sentidos possíveis,  alargando as subjetividades e, como menciona Luiz Rufino: “frear o desencanto”. Dessa forma,  para que a chama dos sonhos permaneça acesa, precisamos esperançar, é uma necessidade do nosso tempo, marcado por tanta tristeza e desencanto. Rechaçar a má sorte! Aprendizagem de um outro tempo. É preciso desver o mundo, para transver um novo mundo!  Assim, nosso sopro de vida, canto – encanto será marcado por: “ um sorriso no rosto e os punhos cerrados que a luta não para”(VAZ, 2011, p.15).

REFERÊNCIAS.

LISPECTOR. Clarice. Um sopro de vida. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

SIMAS, Luiz. Pedrinhas Miudinhas: ensaios sobre ruas, aldeias e terreiros. Rio de Janeiro: Mórula, 2019.

SIMAS, RUFINO, HADDOCK-LOBO. Arruaças: uma filosofia popular brasileira. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

VAZ, Sérgio. Literatura, pão e poesia. São Paulo: Global, 2011.


[1] Sérgio Vaz, Literatura, pão e poesia, 2011.

[2] Luiz Rufino, Arruaças, 2020.

[3] Ailton Krenak, Ideias para adiar o fim do mundo, 2020.

Pâmela Bueno Costa, professora de filosofia na rede estadual e particular de ensino – SC. Graduada em Filosofia. Pós-graduada em Ensino da Filosofia. Mestre em Ensino da Filosofia PROF-FILO. Cursando terceiro ano de Letras: Português/Espanhol (UNESPAR). Ilustradora amadora e aprendiz de aquarela. Colunista do Factótum Cultural.

Os artigos publicados, por colunistas e articulistas, são de responsabilidade exclusiva dos autores, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Factótum Cultural.

Um comentário em “Um Sopro de Vida Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: