Ir para conteúdo

Bem-vindo ao 21

Por Wagner Dias Ferreira

Bem-vindo, Bem vindo, Benvindo ou Bemvindo? - Toda Matéria

O mês de dezembro de 2020 aglutinou três momentos importantes para a reflexão humana.

O dia primeiro é o mundial de combate à AIDS, com o fracassado desgoverno federal anunciando a suspensão do exame de genotipagem, essencial no tratamento dos pacientes com HIV.

Dia 10 é o marco da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Sem nada a comemorar. Países estão disputando vacinas e ignoram o art. 25 da DUDH quando diz que toda pessoa tem direito à saúde sua e de sua família. No caso brasileiro, a situação é mais grave, porque o desgoverno não consegue sequer anunciar um planejamento adequado para quando as vacinas chegarem ao país.

No dia 25, o nascimento do menino Jesus. Mesmo que a pessoa tenha outra fé ou não tenha fé alguma, pode pensar apenas no significado da história que mobiliza a fé cristã. Um ser Divino (Deus) que se dispõe a abrir mão de sua Divindade para assumir a forma de uma das suas criações e vivenciar todas as mazelas dela, inclusive a mais dura: a morte.

A AIDS emergiu na virada dos anos 1970 para 1980. Marcou profundamente a humanidade porque o diagnóstico equivalia a fornecer ao paciente seu atestado de óbito. E apareceu de forma que a tornou, provavelmente, a doença mais estigmatizada na sociedade. O medo e as incertezas sobre as formas de contágio e a associação inicial a um grupo social específico tornavam extremamente difícil lidar com a doença. Logo que começou a aparecer exames e medicamentos para tratá-la, grupos organizados da sociedade obrigaram os governantes a atuarem, o que rendeu ao Brasil o reconhecimento de país referência no tratamento. Por isso, é inadmissível que agora, em ambiente de outra pandemia, o Brasil esteja perdendo qualidade no enfrentamento da AIDS e seja negligente no combate da nova doença.

Com o término das hostilidades mundiais em 1945 e o aparecimento das atrocidades cometidas durante a II Guerra, era importante que o mundo estabelecesse o mínimo necessário para se reconhecer o pleno exercício da humanidade que veio na Declaração Universal dos Direitos Humanos. O documento foi assinado em 1948, quando começava a guerra fria entre capitalistas e comunistas. No entanto, não agradou a nenhum dos lados. E certamente por isso era boa. Não era um ato ideológico, no sentido de subordinação a qualquer corrente de pensamento dominante da época. Estava acima. Era DIREITOS HUMANOS.

Por fim, pensar no exemplo do menino Deus. É hoje algo muito necessário para construirmos um século 21 diferente. Assumir, antes de formar qualquer juízo, a posição do outro, conhecer as mazelas que ele viveu, percorrer os mesmos caminhos que ele seguiu.

É este o desafio a ser enfrentado pela humanidade para o Século 21: de estar na pele do outro e precisamos iniciar urgentemente. Cada um no seu cotidiano, exaustivamente, sem cessar, até que se perceba uma pessoa capaz de humanizar.

Parafraseando a série de TV Trevelers: Bem Vindo ao 21.

Wagner Dias Ferreira, advogado especialista em Direito Criminal e do Trabalho.

Os artigos publicados, por colunistas e articulistas, são de responsabilidade exclusiva dos autores, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Factótum Cultural.

Factótum Cultural Ver tudo

Um Amante do Conhecimento e com o desejo de levá-lo aos Confins da Galáxia !!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: