Ir para conteúdo

Psicólogos x psicanalistas: validade do método freudiano segue em debate

O psicanalista austríaco Sigmund Freud - Divulgação
O psicanalista austríaco Sigmund Freud
Imagem: Divulgação

A nostalgia ressuscitou uma das desavenças mais antigas no campo das ideias: a validade científica das teorias de Freud e da psicanálise. De um lado, há especialistas que afirmam que a psicanálise é uma pseudociência, por não ter rigor científico. Do outro, há psicanalistas que atestam os efeitos da prática no divã e também nos meios acadêmicos.

Em três artigos na revista de divulgação científica Questão de Ciência, criada em 2018 e presidida pela bióloga Natalia Pasternak, a psicanálise foi duramente criticada por cientistas Em resposta, Christian Dunker, colunista de TILT, afirmou que os artigos publicados são fake news. Em tempos de terraplanismo e descrença na ciência, o debate é acalorado entre os especialistas da área, mas a verdade é que ele se encontra em uma zona muito cinzenta entre o que é a psicanálise, o que é a psicologia e o que é a ciência.

Afinal, o que é psicanálise, mesmo? É uma teoria, um método e uma prática clínica desenvolvidos pelo médico Sigmund Freud (1856-1939), no final do século 19, que tem como base a exploração do inconsciente. Considerado o pai da psicanálise, Freud desenvolveu diversas teorias para explicar nossos comportamentos. Uma das grandes contribuições de Freud à compreensão sobre os problemas psíquicos foi concluir que alguns sintomas dependem da palavra, das lembranças e da relação com outro. “Por Freud, a psicanálise é definida de três formas: como um método para tratar neuroses, um método de investigação de processos psíquicos e como uma ‘nova ciência'”, afirma Christian Dunker. E é aí que o bicho pega.

O que é psicologia? Ela é uma disciplina que estuda o comportamento humano. Existe há centenas de anos, e ganhou status de ciência quando adotou, na linha experimental, métodos científicos de análise, deixando de lado explicações mais metafísicas sobre o modo como os humanos reagem ao mundo. O primeiro instituto de psicologia foi criado na Alemanha, no final do século 19, por Wilhelm Wundt. Ele desenvolveu práticas e teses, fundando a psicologia comparada e científica.

Como psicanálise e psicologia se relacionam? Dependendo do país, a psicanálise é encarada como uma disciplina dentro da faculdade de Psicologia. Hoje, a maioria das faculdades de Psicologia no Brasil oferece disciplinas em psicanálise — na PUC-SP, por exemplo, Desirée Cordeiro lembra ter estudado psicanálise em todos os semestres da graduação. Contudo, prevalece nos cursos o objetivo de formar psicoterapeutas, algo mais instrumental, científico e abrangente. Um dos autores que mais contribuiu para dar cara de ciência à psicologia, tendo influenciado a formação de psicólogos em diversos países, foi o norte-americano Burrhus Frederic Skinner (1904-1990). “Nos EUA, por exemplo, onde nasceu e atuou Skinner, o forte são as áreas de psicologia como a comportamental, a cognitiva e a TCC (terapia cognitivo-comportamental). É algo mais direcionado ao manejo dos sintomas e doenças, e tem um método mais fácil de ser descrito e apresentado em artigos científicos, são mais quantitativas. As psicoterapias psicodinâmicas, como a psicanálise, são mais voltadas ao cuidado do indivíduo e promoção de saúde”, explica Cordeiro. A formação psicanalítica que permite clinicar é mais longa e abrange teoria, prática clínica e a supervisão dos aspirantes a analistas.

Então, psicanálise é ciência? Depende do que você está chamando de psicanálise e do que está chamando de ciência. A ciência, segundo uma corrente positivista de pensamento, exige a adoção de um método e um procedimento replicáveis. “A psicanálise, a meu ver, é ciência, mas falta a ela um olhar biológico, não só humano, uma metodologia de análises. Ela tem mais dificuldade de fazer comparações, é menos linear e matemática e mais qualitativa, subjetiva”, afirma Desirée Cordeiro. No caso da psicanálise, tudo que um analista tem é o comportamento da pessoa, ou a ausência de um comportamento importante. Para Paulo Sérgio Boggio, coordenador do laboratório de neurociência da Universidade Presbiteriana Mackenzie, a psicanálise depende da observação de alguns poucos casos. “E não se pode generalizar o conhecimento partindo de poucos casos”, afirma ao TAB.

Mas, se não é ciência, não vale? “A gente tem muito em alta conta a ciência, achando que ela vai dar conta de tudo, mas há uma série de coisas a que ela não responde”, diz Anna Carolina Lo Bianco, vice-presidente do CFP (Conselho Federal de Psicologia) e professora do programa de pós-graduação em teoria psicanalítica da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). “A psicanálise não pretende ser uma ciência”, diz Lo Bianco. “O rótulo científico é como se fosse um selo de qualidade. As pessoas se valem do prestígio que a ciência tem para dizer que estão ‘fazendo ciência’. Essa simplificação e redução da vida é o que a psicanálise definitivamente não faz”, afirma.

Se já sabemos que não se trata de um método científico, por que a treta? Essa é uma briga que se estende desde que a psicanálise foi fundada, mas ganhou muita força a partir dos anos 1980, graças à medicalização da saúde mental e do avanço da neurociência, que passa a fazer estudos quantitativos e de observação (por meio de equipamentos como ressonância magnética) sobre o funcionamento do cérebro. É um momento de virada no discurso sobre saúde mental, especialmente nos Estados Unidos. “A depressão, o pânico e muitos outros problemas mentais são tratados como se fossem ‘diabete mental’, apenas uma questão de falta de dopamina, de uma substância que pode ser reposta se o indivíduo se tratar com antidepressivos”, diz Dunker.

Mas os remédios nem sempre surtem o efeito desejado. Décadas depois de excessiva medicalização, não somos exatamente a civilização da felicidade, tal qual nos foi prometido. Segundo Christian Dunker, ao contrário de outros tipos de psicoterapia, a psicanálise é um tratamento de longo prazo que tem sido escrutinado em diversas situações. “Os resultados [sobre eficácia da psicanálise] são sempre esquisitos de avaliar, porque esse tipo de pesquisa sobre qual terapia funciona mais tem variáveis difíceis de controlar, porque envolve coisas como empatia e simpatia entre terapeuta e o paciente.”

Nem sempre Freud explica. Para Boggio, o problema é quando a psicanálise se propõe a tratar problemas sérios de saúde mental, em que é preciso medicalizar. “Colocar essas pessoas em tratamento sem evidência científica é perigoso”, afirma. “O paciente gasta dinheiro e anos da vida, sem sair do lugar. Há coisas muito interessantes publicadas, mas não existe comprovação de que resolve, e pode haver observação enviesada por parte do psicanalista, porque ele parte de uma observação individual.” Desirée Cordeiro pensa parecido. “Quando um paciente apresenta sofrimento intenso, que o impede de viver o cotidiano, ele deve procurar um psiquiatra e ser medicado, sim. Tratar só com psicanálise ou só com medicação, nesses casos, não vai funcionar”, afirma.

TAB. 29.8.2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: