Ir para conteúdo

Brasil tem mais de 1.500 cursos de Direito, mas só 232 têm desempenho satisfatório

O Brasil é o país com maior número de faculdade de Direito no mundo e contava, em 2018, com 1.502 cursos para formar bacharéis na área. O aumento foi vertiginoso ao longo dos últimos 20 anos – em 1995, eram apenas 235 cursos os de Direito, o que significa que ao longo de 23 anos o crescimento foi de 539%. Mas quantidade, pelo visto, está longe de significar qualidade, como demonstra a 4ª edição do estudo Exame de Ordem em Números, realizado pela FGV em parceria com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O não preenchimento de requisitos básicos pelas instituições de ensino fez com que, em 2013, o Ministério da Educação suspendesse a criação de novos cursos de Direito pelo país. De lá para cá, avaliações e a criação de critérios mais rígidos tem diminuído a velocidade de crescimento de novas faculdades, mas o estudo joga luz para a problemática de que, mesmo assim, a maioria dos cursos já existentes continua abaixo do que o MEC considera satisfatório em termos de qualidade. 

As instituições de ensino superior do país e todos os seus cursos passam por avaliações regulares desde 2004. O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) e o Conceito Preliminar de Curso (CPC) são algumas formas de avaliação. O CPC permite avaliar, de forma multidimensional, a capacidade dos cursos de graduação de oferecerem condições adequadas a uma boa formação, como a titulação dos professores, os percentuais de docentes que cumprem regime parcial ou integral, recursos didático-pedagógicos, mas também aspectos como infraestrutura e instalações físicas. 

“No que concerne ao curso de Direito, especificamente, certos padrões mínimos na qualidade da graduação são necessários para que aos bacharéis seja oferecida a formação acadêmica adequada para o bom desempenho no Exame de Ordem, etapa cujo cumprimento é obrigatório para a posterior atuação como advogado. Assim, o Exame representa o principal instrumento de avaliação da qualidade de um determinado curso, mesmo sem existir um sistema de monitoramento pelos órgãos de educação responsáveis. Em última instância, isso ajuda a garantir uma formação de qualidade para um futuro exercício da profissão”, argumentam os autores do estudo. 

O estudo mostra que, em 2015, apenas 232 dos 963 cursos avaliados no CPC tiveram desempenho considerado satisfatório, um percentual de 24,1%. Para ser considerado satisfatório, é necessário ter um CPC igual ou superior a 2,95 — a pontuação máxima, nesta escala, é de 5 pontos.

Outra forma de avaliação, realizada pela OAB, é o Selo OAB Recomenda. Desde 2001, a certificação reconhece e premia as instituições de ensino superior que atendam aos critérios de excelência, regularidade e qualidade mínima compatíveis com o que a OAB e a sociedade brasileira esperam. Em 2001, de 176 cursos avaliados, 52 receberam o selo. Já em 2018, de 1.212 cursos que foram verificados pela Ordem, apenas 161 foram recomendados. 

Para Felipe Santa Cruz, presidente da OAB, boa parte das instituições de ensino poderia melhorar a grade curricular, medida que, segundo ele, tem sido discutida pelas comissões do órgão.

“Ao nosso ver, a grade curricular não é voltada para advocacia no mínimo suficiente, nós estamos discutindo com algumas entidades alguma forma de fazer um acompanhamento do próprio desempenho das faculdades mês a mês”, aponta Santa Cruz. “Quando eu comecei a dar aula, nos anos 1990, meus alunos queriam, na sua grande maioria, ser servidores públicos. Hoje, com a crise fiscal brasileira, isso é praticamente inexistente. Então, as pessoas vão compulsoriamente para a advocacia privada, muitas sem vocação, e infelizmente com, digamos assim, uma condescendência, uma falta de atuação concreta e de planejamento do Ministério da Educação”.

A enorme oferta de cursos sem a devida demonstração da qualidade fez o MEC suspender, em 2013, o credenciamento de novos cursos de Direito, até que fossem estabelecidos critérios para expansão e regulação desse campo. Em 2014, foi publicada norma nesse sentido, a Portaria Normativa 20/2014. A partir dessas novas diretrizes, o MEC passou a exigir indicadores mais altos e consistentes das instituições e de seus cursos, de forma que o Índice Geral de Cursos (IGC) ou Conceito Institucional (CI) seja igual ou superior a 3, em uma escala de 1 a 5. Além disso, passou a ser necessária, como condição para o credenciamento, a obtenção de CPC igual ou superior a 4, com pontuação mínima de 3 em cada quesito avaliado. 

A portaria também elevou a importância dos pareceres do Conselho Federal da OAB no processo de credenciamento. Desde a década de 1990, a OAB colabora no processo administrativo de autorização e reconhecimento dos cursos de graduação em Direito. A partir de 2015, esse caráter foi incorporado ao padrão decisório do MEC, mediante o uso do parecer da OAB como fundamento para a avaliação dos cursos. 

Contudo, o parecer da OAB não tem efeito vinculante sobre a decisão do MEC, assim, um curso pode ser credenciado mesmo que receba parecer desfavorável da OAB. Para isso, o curso deve apresentar uma excelente pontuação (IGC ou CI igual a 4 ou maior, ou conceito também igual a 4 ou maior, em cada uma das dimensões do Conceito de Curso – CC). Por outro lado, faculdades que tiverem sido aprovadas pela OAB, mas que só alcançaram nota 3 no Conceito de Curso, podem ter sua instalação deferida pelo MEC.

Por Hyndara Freitas. Jota. 14.4.2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: