Ir para conteúdo

Humana, Demasiado Humana

Por Illyana Magalhães

Lou Andreas Salomé, filósofa e escritora

Falar sobre Lou, é como se fôssemos falar sobre poesia. Ousadia, excepcionalidade, generosidade, humanidade, inteligência e espontaneidade eram as características essenciais de Lou Andreas Salomé, filósofa e escritora na qual devastou o coração de vários filósofos, incluindo um dos maiores filósofos contemporâneos, Friedrich Nietzsche.

Dotada precocemente pela ânsia do saber, a adolescente se dedicara às leituras de Descartes, Pascal, Voltaire, Rousseau, Schopenhauer e Kant a ponto de adoecer profundamente. Considerada um “gênio” à altura, Lou Andreas vai além dos ensinamentos superficiais escolares e destaca-se sobremaneira, possuindo características intelectuais que a enalteciam frente aos demais.

Toda sua vida fora dedicada a leitura, a escrita, ao prazer de viver, a especializar-se junto com Freud à psicanálise. Amigas de muitos, considerada como um raio de sol por onde passava, Lou Andreas Salomé era considerada uma mulher apaixonada pela vida.

E nesta paixão pela vida, pela escrita, pela arte, poesia e cultura, Lou não deixou sua vida ser guiada por modelos pré-estabelecidos pela sociedade. Seguiu, junto ao seu amigo Paul Rée, munidos pela ânsia do saber, em busca de um local no qual pudessem criar, produzir, dar vazão à arte que brotava de suas mentes brilhantes.

Neste caminho do saber, Paul Rée apresenta Lou a Nietzsche que se apaixona pelo espírito curioso, pela beleza, conhecimento, astúcia e inteligência da bela moça que priorizava, acima de tudo, a sua liberdade. Embora tenha se casado oficialmente com o professor Carl Andreas, Lou Andreas fora vista com vários parceiros por toda Europa, traduzindo a sua completa feição à aversão pelos casamentos tradicionais.

Símbolo de dominação que exercia entre os homens, Lou infelizmente leva Nietzsche à loucura e Paul Rée ao suicídio. Ambos confundiram amor, quando na verdade a amizade se fazia presente em todos os momentos vividos entre a tríade.

Autora de vinte livros entre romances, poesias, peças de teatro e ensaios, incluindo uma centena de artigos e resenhas em revistas de filosofia e psicanálise, a escritora falece aos setenta e três anos, reconhecendo a alegria que a escrita lhe proporcionava, sendo esta inclusive a sua maior fonte de felicidade.

Illyana Magalhães, advogada escritora que vive pelo mundo em busca de conhecimento e fonte de viver. Colunista do Factótum Cultural.

Os artigos publicados, por colunistas e articulistas, são de responsabilidade exclusiva dos autores, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Factótum Cultural.

Um comentário em “Humana, Demasiado Humana Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: