Notícias

Além do Registro: A trágica história por trás da imagem da criança e o abutre

None

Após o retrato, Kevin Carter, autor da fotografia, foi duramente – e injustamente – criticado, resultando em seu suicídio

Uma das mais icônicas imagens do fotojornalismo dos anos 1990 é creditada ao sul-africano Kevin Carter, que capturou, em 1993, a desoladora paisagem de uma jovem sudanesa sofrendo com a inanição enquanto é rodeada por um abutre interesseiro. No entanto, a foto que desencadeou a fama do jornalista também foi sua chaga.

Relata-se que a produção da foto durou cerca de 20 minutos. Em um país assolado pela fome e pela Guerra Civil, que durou até 2005, o artista pretendia cristalizar o sentimento de agonia do país ao localizar aquela criança definhando no chão, e esperou que o abutre se aproximasse o suficiente para captar a imagem.

K. Carter / Crédito: Wikimedia Commons

A fotografia foi captada na cidade de Ayod, no Sudão, e publicada no periódico The New York Times. Foi suficiente para uma chuva de críticas. Interpretou-se, principalmente, que a imagem era uma forma de autopromoção irresponsável por parte do fotógrafo, enquanto ele não teria intervido na situação para ajudar a criança.

Entretanto, não foi divulgado que os jornalistas em campo não eram permitidos a intervir ou mesmo tocar nas vítimas do terror econômico africano, pelo medo que havia de transmissão de doenças. Carter apenas espantou a ave após captada a foto, para que ela não ferisse a criança. Nessas situações, os jornalistas eram acompanhados por homens armados que o impediam de realizar qualquer intervenção.

Outro detalhe, que é contra intuitivo pela natureza da imagem retratada, é o fato de que os pais das crianças estavam a poucos metros da cena, numa missão de entrega de alimentos da ONU. A própria garota usa uma pulseira T-3 da organização, para identificação de subnutridos. Ou seja, não se trata de um bebê abandonado e desalentado, e o recorte fotográfico pode enganar.

A Guerra Civil no Sudão durou 21 anos, de 1983 até 2005 / Crédito: Domínio Público

Carter já afirmou mais de uma vez que sentia profundo remorso pela impossibilidade de intervir para salvar aquela criança. Comparado ao próprio abutre de sua foto, ela sofreu pressões e críticas, por coisas que ele estava inabilitado a fazer.

O ano seguinte foi marcado por uma infeliz dualidade, consequência da repercussão que teve a foto do abutre e a criança: a arte rendeu a Carter o Pulitzer, o maior prêmio do jornalismo; entretanto, devido à negativa reação da maioria das pessoas, o jornalista tirou a própria vida no final do ano, abalado e totalmente sem dinheiro.

Aventuras na História. 14.10.2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.