Artigos

Um encontro inesperado: o dia em que Nietzsche conheceu Dom Pedro II

None

Friedrich Nietzsche era um homem reservado, avesso a desconhecidos, mas graças ao fascínio da personalidade do brasileiro, abriu-se e tomou confidência com o estrangeiro, do qual não conhecia o status

Estava Friedrich Nietzsche em um a pequena estação da Áustria quando, ao longe, ouviu o apito do trem. O jovem tomou notas do cenário: o trem, o barulho das rodas sobre os trilhos, homens acenando chapéus, a fumaça da locomotiva se confundindo com as nuvens baixas e com o verde compacto das colinas.

Em tudo que via, cheirava e ouvia, ele sentia o frescor do ano de 1871, tempo de notável renovação após a Guerra Franco-prussiana, onde servira como voluntário. Nietzsche estava prestes a retomar o curso normal de sua vida, prosseguindo como professor de filologia na Universidade de Basileia, onde sua acuidade filosófica crescia gradativamente.

Conferiu os ponteiros do relógio e embarcou no trem. Antes que tivesse tempo para tomar seu assento, a locomotiva começou a se mover e logo estava deixando a área residencial da cidade, avançando por campos cheios de trigo, pomares e pequenas propriedades que começavam a se encher com os grãos da estação.

Atravessando de um vagão para outro, enganou-se e foi ter na cabine errada. Um homem idoso, barbudo, robusto e de ombros largos que, pelos hábitos e sotaque, parecia pertencer a um país exótico o recebeu à porta. Nietzsche logo percebeu o equívoco.

O vagão estava ocupado por alguma alta personalidade acompanhada de grande séquito. Constrangido, o jovem pediu desculpas e já se retirava quando foi convidado pelo simpático senhor a permanecer com ele e lhe fazer companhia durante a viagem naquele percurso pelos Alpes Tiroleses. Nietzsche aquiesceu ao amável convite e logo o desconhecido puxou assunto.

Friedrich Nietzsche era um homem reservado, avesso a desconhecidos, mas graças ao fascínio da personalidade do brasileiro, abriu-se e tomou confidência com o estrangeiro, do qual não conhecia o status. Em pouco tempo de viagem, enquanto o trem atravessava áreas rurais bucólicas e isoladas, vastas áreas montanhosas e longos túneis, a conversa se tornou extremamente animada.

O ocupante do vagão era um senhor anfitrião. Aquele ilustre desconhecido, que falava diversas línguas – antigas e modernas –, era um entusiasta da filosofia, grande e devotado estudioso da história, patrocinador das artes e da ciência. Nietzsche estava encantado. Mais que isso, estava confortável ao ponto de mencionar manuscritos de suas ideias ainda não publicadas.

Após algumas horas de viagem, o trem chegava à estação destino de Nietzsche. O apito de desembarque foi ouvido com pesar por ambos. Entusiasmado e impressionado com a erudição do gentil ancião, mas ao mesmo tempo embaraçado por não saber de quem se tratava, ao se levantar para se despedir, tratou de indagar a identidade do anfitrião que o acompanhava até a saída do vagão. Surpreso, ao descobrir que se tratava do Imperador do Brasil, Dom Pedro II, Nietzsche começou a rir e o abraçou.

O jovem filósofo muito confidenciou à sua esposa acerca do imprevisto encontro. Nietzsche estava literalmente fascinado pelo espírito cortês e pela cultura de Dom Pedro II. Declarava-se estupefato, pois jamais imaginaria que um homem tão simples, educado, autêntico e culto poderia ser monarca de um império tão vasto.

Um legítimo, sábio e honrado rei da antiguidade clássica à qual Nietzsche apreciava tanto. Ele consideraria aquelas poucas horas entre as mais interessantes de sua vida.

Alguns meses depois, Nietzsche recebeu com surpresa e alegria uma carta do Imperador. Dali em diante, viriam manter correspondências por muitos anos, mesmo depois do exílio da família real e até o falecimento do Imperador, em 1891.

Um de seus amigos mais próximos, Johan Heinrich Köselitz, um conhecido compositor alemão, mencionou, muito tempo após a morte do filósofo, que aquele encontro fora marcante na vida de Nietzsche, tanto que era assunto recorrente em suas conversas.

Cronologicamente, a primeira menção publicada sobre a amizade entre os dois aparece numa revista austríaca, Neues Wiener Journal, datada de 17 de junho de 1912, no texto intitulado “Nietzsche und der letzte Kaiser von Brasilien”. Ela guarda semelhanças com os dados da versão publicada na revista francesa Revue Hebdomadaire, edição de julho de 1912, assinada pelo diplomata e escritor Maurice Prozor.

O encontro histórico teria sido narrado pela viúva de Nietzsche ao diplomata que se incumbiu de tornar público o acontecimento, mas o que se sabe é que os textos e as diferentes versões originárias da história foram inicialmente difundidos por sua irmã, Elisabeth Förster-Nietzsche, e transmitidas oralmente ao diplomata russo Maurice Prozor.

Domenico Fazio, pesquisador italiano da fortuna crítica de Nietzsche, em “A verdadeira história de Nietzsche e Dom Pedro II de Alcantâra, último imperador do Brasil”, analisou detidamente as versões da história, confrontando testemunhos e os diários do Imperador brasileiro. Com esse ensaio, fez avançar a pesquisa histórico-filosófica da fortuna crítica brasileira de Nietzsche, ao apresentar suas comprovações no sentido histórico e documental.


M.R. Terci é escritor e roteirista; criador de “Imperiais de Gran Abuelo” (2018), romance finalista no Prêmio Cubo de Ouro, que tem como cenário a Guerra Paraguai, e “Bairro da Cripta” (2019), ambientado na Belle Époque brasileira, ambos publicados pela Editora Pandorga.

Aventuras na História. 12.9.2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.