Notícias

E se eu morrer hoje?

Tomar providências em relação ao fim da vida: resistência é grande em tratar de questões relacionadas à morte  — Foto: By © Roland Fischer, Zürich (Switzerland) – Mail notification to: roland_zh(at)hispeed(dot)ch / Wikimedia Commons, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=19732663
Tomar providências em relação ao fim da vida: resistência é grande em tratar de questões relacionadas à morte 

Pense nas providências que poderão facilitar a vida dos que ficam

O tema dessa coluna pode ser lúgubre, mas não tem nada de agourento ou assustador, uma vez que todos vamos morrer um dia. Se o tempo que nos resta é de semanas, meses, anos ou décadas, tanto faz: ninguém deveria se espantar com nossa finitude. A resistência em tratar de questões relacionadas à morte acaba tornando a vida dos entes queridos que nos rodeiam ainda mais difícil. No meio da dor da perda, com frequência eles têm que revirar papéis e tomar decisões num estado de grande fragilidade.

Uma amiga querida precisou fazer uma cirurgia delicada. Quando fui visitá-la, já totalmente recuperada, ela me disse que, na véspera da operação, pensou em contar para o filho onde estavam guardados documentos, registros de senhas e contatos com gerentes de banco. Acabou não fazendo, com medo de assustar o rapaz, que poderia achar que a mãe mentia sobre a gravidade da situação. Histórias semelhantes se repetem todos os dias, nem todas com um final feliz. Para quem ama os animais, a guarda de um bicho de estimação também é um assunto que deveria merecer atenção. São tristes os relatos de cães e gatos abandonados depois da morte do dono porque não havia ninguém para assumir a tarefa.

Deixar as coisas organizadas é demonstração de carinho pelos que nos rodeiam. Para começar, mantenha os documentos importantes numa pasta. Se precisar de mais de uma, identifique o conteúdo de cada uma com uma etiqueta. Senhas, informações sobre investimentos e telefones de pessoas que devem ser acionadas podem ficar anotados num caderno ou arquivados no computador, mas é indispensável que você explique ao pelo menos um ou dois do seu círculo íntimo como acessar esses dados.

Já tratei nesse espaço sobre a conveniência de fazer um testamento vital: o documento determina como diretivas antecipadas de vontade o conjunto de desejos, previamente manifestados pelo paciente, sobre cuidados e tratamentos que quer, ou não, receber no momento em que estiver incapacitado de expressar sua vontade. Ter um testamento evita desentendimentos quando há bens, principalmente se a pessoa se casou de novo e há filhos da primeira união. Embora 90% digam que é importante conversar sobre os cuidados e providências no fim da vida, apenas 27% dizem tê-lo feito. Além disso, 60% não gostariam de sobrecarregar os mais próximos com decisões difíceis, mas 56% não comunicaram seus desejos. Eu proponho o exercício. Pensar no fim da existência nos dá a dimensão do enorme prazer que é estar vivo.

Por Mariza Tavares. G1. 18.8.2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.