Ir para conteúdo

Pensamentos soltos: Alucinação

Por Pâmela Bueno Costa

O que é esquizofrenia: sintomas, diagnóstico e tratamento | Veja Saúde

“O diabo é a gente”.

“Mas eu não estou interessado

Em nenhuma teoria”

(Ao som de Belchior)

Soscrevo, como diria Manuel Bandeira, pensamentos e devaneios soltos. É novembro, penúltimo mês de 2020, essas linhas são um exercício de alívio imediato. E, no movimento de Um copo de cólera: explodimos. Este ano, nos mostrou que as coisas podem ficar fora do controle.

Em ritmo acelerado, na voz de Chico César:

“Se números frios não tocam a gente

Espero que nomes possam tocar”.

Um ano fúnebre,  o dia que a terra parou. Pessoas que partiram, que não sabemos seus nomes, os sonhos, os amores que foram interrompidos, é preciso salientar e compreendemos que durante a história muitas epidemias aconteceram. No entanto, vimos nesse projeto de governo, falando a nível de Brasil, para nos localizarmos em nosso chão – uma necropolítica. Nosso  representante do poder executivo não ligou para a catástrofe do COVID-19. Aliás, afirmou, inúmeras vezes, que era apenas uma gripezinha: “Algumas pessoas vão morrer, e, daí?”.  O que vemos? “Vemos nesse homem o exercício da necropolítica, uma decisão de morte” (KRENAK, 2020, p. 80).

Palavras são navalhas…Um grito. Revolta e lamento.

E eu quero é que esse canto torto

Feito faca, corte a carne de vocês”.

À palo seco eu pergunto, a você caro leitor: “esse canto feito faca cortou sua carne?”. Em março interrompemos nossas atividades escolares. O que inicialmente achamos que seria apenas alguns dias. Estamos (professores) há mais de oito meses em trabalho remoto, e isso tem uma dimensão muito expressiva, o home-office possui uma grande sobrecarga de trabalho. Ser professor é trabalhar com gente, com contato, olhos nos olhos, é afeto, é partilha é uma construção coletiva em sala de aula. Algo que no ambiente virtual fica tudo muito técnico, quase sem vida. No entanto, nos adaptamos. Salve o classroom e o meet! Perdemos nossa intimidade, nossa casa tornou-se uma extensão da escola. Aprendemos a lidar com algumas inseguranças, falta de preparo, equipamentos, contamos com a circunstâncias, por exemplo, algo que não está sob nosso controle –  como a internet funcionar. Muitos obstáculos enfrentamos e ainda estão sendo superados.  Por isso é Importante frisar a discrepância de desigualdades, a luta dos estudantes diariamente sem acesso à internet,  enfrentando as crises de ansiedades, depressão, do mesmo modo, e, intensidades diferentes os professores. Sem falar em outros problemas que não cabe apontarmos aqui. Sofremos e estamos sofrendo de uma maneira sem igual.

Uma pausa. Respiro.

Amar e mudar as coisas …

Uma experiência dolorosa 2020 nos proporciona. Comecei essa escrita, com a música de Belchior: alucinação. Qual é nossa alucinação? Nosso delírio, a nossa alucinação é suportar o dia a dia. Entre choros e desesperanças, caminhamos sobrevivendo esse mar de tristezas que esse ano propiciou. Sobreviveremos? Ano passado eu morri, mas esse ano…

Sobreviver a essa tragédia mundial, tem sido a meta. Belchior grande poeta que nos inspira a pensar: “Um preto, um pobre, uma estudante, uma mulher sozinha”.  Cenas recentes, nos mostram como a luta não pode parar, ela nunca cessa. Seja a luta pelos direitos da mulher, do negro, dos povos originários. Uma mulher sozinha, cenas de abuso de poder, de uma violência e humilhação presenciamos nos primeiros dias de novembro. Uma mulher lutando por justiça,  um sofrimento que vem se alastrando, que nos faz pensar sobre o quanto a misoginia, o machismo, a sociedade patriarcal e um falso moralismo matam diariamente e abusam das mulheres. Ainda no século XXI temos que defender o óbvio. Não estamos sozinhas e em união seguimos por amor nas e às causas perdidas. Amar e mudar as coisas,  me pergunto, e pergunto a você: como é possível amar o outro que nos violenta? Tiram nossos direitos, abusam e estupram nosso corpo, nossa alma e a nossa dignidade? O amor vem agonizando… Apesar de tudo, acreditamos na bondade humana?

Outra pausa. Outro canto torto:

“Tudo bem, seja o que for
Seja por amor às causas perdidas”.

São tempos difíceis para os sonhadores, tempos sombrios, que é necessário defender as causas perdidas. Lutando com os dragões. Seguimos pensando, como o cavaleiro errante:Mudar o mundo meu amigo Sancho não é loucura, não é utopia, é justiça”.  Nesse movimento, travessia: o Diabo, “vige, mas não rege…” (ROSA, 2001, p. 110). Riobaldo diz:

–  “O diabo existe e não existe? Dou o dito. Abrenuncio. Essas melancolias… Explico ao senhor: o diabo vige dentro do homem, os crespos do homem – ou é o homem arruinado, ou o homem dos avessos. Solto por si, cidadão, é que não tem diabo nenhum. Nenhum! – é o que digo” (ROSA, 2001, p. 26).

Um grito:

“Mas ando mesmo descontente
Desesperadamente, eu grito em português”.

Viver é uma espécie de loucura. E o diabo vige dentro do homem? Um dilema nas Veredas de Rosa. Que paramos para observar o mundo real, o qual  nos mostra que  diabo vige dentro dos homens. Em um rasgar-se e remendar-se. Seguimos, e  assim : “Como é que posso com este mundo? A vida é ingrata no macio de si; mas transtraz a esperança mesmo no meio do fel desespero. Ao que, este mundo é muito misturado…”(ROSA, 2001, p. 237). Riobaldo nos ensina um aprender a viver: “O sertão está em toda parte,  é quando menos se espera”.  O sertão mora dentro da gente.  E o diabo não há! Existe é o homem humano.

E,  nas palavras do latino americano, na divina comédia humana: “Enquanto houver espaço, corpo e tempo e algum modo de dizer não. Eu canto”: com o verso da poeta, à flor da pele, nas palavras navalhas, o canto torto, da amiga das travessias, Bruna Domingues:

TER-GI-VER-SAR

Roda. Redemoinho!

O diabo na gente, a gente na rua

Nó.  Tergiversante, eu-caminho

Percorro. Tergiversamente nua

Nua. Rodante, eu-caminho

O diabo na pele: ardência itinerante

Caminho-eu. Brasa. Redemoinho!

Rapinando rima, eu-diabo – estúpida! Tergiversante

Ensaio um sentido. Quente

Redemoiho-me. (Ah! Essas voltas!)

Teu nada veste (me). O diabo é a gente

No fundo, eu-sertão, cultivo consciente

Embrenho-me, rapino-me, tergiverso. Teu nada.

O diabo é a gente!

KRENAK, A vida não é útil. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

Pâmela Bueno Costa, professora de filosofia na rede estadual e particular de ensino – SC. Graduada em Filosofia. Pós-graduada em Ensino da Filosofia. Mestre em Ensino da Filosofia PROF-FILO. Cursando terceiro ano de Letras: Português/Espanhol (UNESPAR). Ilustradora amadora e aprendiz de aquarela. Colunista do Factótum Cultural.

Os artigos publicados, por colunistas e articulistas, são de responsabilidade exclusiva dos autores, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Factótum Cultural.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: