Ir para conteúdo

Os Nossos Palácios Imaginários

Por Bárbara Silvestre

O mito de Lilith - Astróloga Vanessa Tuleski

Existe um livro muito usado no judaísmo sendo, inclusive, citado no Talmud, exercendo bastante influência na liturgia judaica. Este livro é o Alfabeto de Ben Sira, e entre um vasto conteúdo mitológico, podemos encontrar a estória de Lilith.

Lilith foi a primeira mulher criada por Deus, da mesma forma que Adão, moldada pelas mãos divinas. Só que com o tempo Lilith se rebelou por não se conformar com uma posição inferior a de seu marido, já que ambos foram criados a imagem e semelhança de Deus. Em busca de igualdade, Lilith entrou em conflito com Adão principalmente por não aceitar a obrigação de se deitar por baixo de seu marido todas as noites, e contestou também o Criador, tendo que escolher entre se submeter ou deixar o jardim. Ela escolheu a segunda opção e partiu para um exílio no Mar Vermelho, que era o reduto dos demônios e anjos caídos. Adão, triste por perder sua mulher, adormeceu, e a partir de sua costela Deus criou Eva, uma mulher que saiu do homem, portanto dependente e submissa a ele, a que seria oficialmente a primeira esposa de Adão, a mãe da humanidade. Na Bíblia, não temos nenhuma referência à Lilith, mas no imaginário judaico, já associado às lendas mesopotâmicas, Lilith é o demônio da luxúria – que tentava os jovens sexualmente à noite levando-os a sonhos eróticos e “polução noturna”.

Essa história que acabei de lhe contar é um mito, ou seja, um escrito sagrado que se manifesta como forma atenuada de intelectualidade e como instrnitumento social. Sendo assim, obra do imaginário. Sartre diz que o imaginário é o nome que damos a certas verdades e que todas as verdades são analógicas entre si. Esses diferentes mundos de verdades são objetos históricos, e cada época pensa e age dentro de molduras arbitrárias e inertes a ela.

Portanto, faz sentido que nós, em nossa grande maioria, não acreditemos que Lilith perturbe as nossas noites de sono como Nabucodonosor poderia acreditar.

O imaginário é a realidade dos outros, e em uma mesma sociedade encontramos várias verdades que, por mais que sejam diferentes entre si, são todas intensamente verdadeiras para quem acredita, mas de constante a verdade só tem a sua pretensão de ser verdadeira, e essa pretensão é apenas formal.

Segundo Nietzsche a verdade é a mais variável das medidas.

E o mito de Lilith, que foi tão influente na vida religiosa e cotidiana daqueles homens hebreus, não foi escolhido como parte constituinte da Gênesis católica – portanto, desconhecido para a maioria de nós –, o que prova que o ser humano é parte de seu meio social, e para sair disso e inovar é preciso ser um gênio.

E quando essa genial mudança de paradigma acontece, para quem não é tão genial assim, é simples se adaptar e adestradamente ter como verdade os novos costumes.

Bárbara Silvestre é Mestranda em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Bacharela em Filosofia pela Faculdade de São Bento de São Paulo. Escritora e Colunista do Factótum Cultural.

Facebook: @brbarasilvestresilvestreoficial.

Instagram: @barbarasilvestreoficial.

Twitter: Silvestre_Babi.

Os artigos publicados, por colunistas e articulistas, são de responsabilidade exclusiva dos autores, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Factótum Cultural.

Bárbara Silvestre Ver tudo

Sou Bacharel em Filosofia pela Faculdade de São Bento de São Paulo. Estou cursando o Mestrado em Filosofia com ênfase em Teoria do Conhecimento pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: