Notícias

Psicanalistas e psicólogos traçam o perfil comportamental de Bolsonaro

Frases
Frases “polêmicas” de Jair Bolsonaro – Kiko
Profissionais analisam postura do presidente após série de declarações polêmicas

Autêntico para os seus seguidores, Jair Bolsonaro se revela uma personalidade em conflito. Nos últimos dias, as declarações polêmicas se intensificaram. O homem que sempre negou a existência da ditadura e enalteceu a memória de torturadores aumentou o tom. Negou a fome no país, minimizou a questão ambiental e até questionou a gravidade do trabalho infantil. Será que é possível explicar o que está acontecendo na mente do presidente?

Em um exercício ficcional, Freud explicaria. Para colocar o presidente no divã, O DIA ouviu psicólogos e psicanalistas, que tentam decifrar o que passa na mente de Bolsonaro. Para o psicanalista e professor da USP, Christian Dunker, Bolsonaro se comporta como uma criança mimada com pais que fazem vista grossa para as suas atitudes questionáveis. “Os pais somos nós. Temos uma criança mimada, que tem ao redor de si um monte de gente aplaudindo. Precisamos dessa criança para que a gente possa se divertir e confirmar as nossas fantasias infantis”, explica. Mas há um outro lado. Bem mais preocupante, aponta o psicanalista. “Ele tem uma perversidade compartilhada por aqueles que estão em volta e querem se aproveitar disso. É como se dissessem: ‘Deixa eu governar aqui enquanto ele atrai os olhares para o outro lado’”, argumenta Dunker.

A RAIVA DO IMPORTANTE 

Mas esse mecanismo, segundo ele, gera uma certa frustração, que desencadeia um comportamento explosivo. “Os êxitos do governo não são do Bolsonaro. São do Rodrigo Maia (presidente da Câmara dos Deputados), do Paulo Guedes (ministro da Economia). O que se percebe é a reação de um impotente com raiva. Ele precisa gritar, passar por cima de códigos e de convenções”, teoriza.E, em meio a essa obsessão narcisística por reconhecimento, um outro aspecto da personalidade do sujeito que dá nome ao bolsonarismo ganha espaço: a devoção ao presidente norte-americano Donald Trump, materializada na indicação do filho Eduardo Bolsonaro ao cargo de embaixador nos Estados Unidos. “Ele entrega aquilo que é mais precioso, que é o filho. Me ajoelho diante dele e renuncio à minha própria autonomia. Uma coisa muito mais adolescente, mais boba. É como se dissesse: ‘Entrego a você a minha extensão’. Aí, os outros dizem que ele não pode. Isso gera contrariedade”.

O INIMIGO IMAGINÁRIO

O psicanalista Pedro Cattapan, professor da UFF, coloca o Bolsonaro no divã como um sujeito em crise por causa de um vazio existencial, capaz de criar uma espécie de inimigo imaginário, simbolizado pela guerra ao comunismo. Mesmo quando não existem os ‘comunistas’ para confrontá-lo. “Ele funciona de forma reativa. Precisa do inimigo para reagir. Se não há isso, perde força”. Para Claudia Melo, psicóloga e terapeuta cognitivo-comportamental, a agressividade Bolsonaro se agrava por causa do cargo que ocupa. “Não estamos falando de um adolescente. Estamos falando de um homem que está no poder e parece que ainda não compreendeu a sua posição”. A psicóloga Juliana Sato acrescenta um outro elemento à análise: uma aceleração mental capaz de fazer com que a mente entre em colapso por não conseguir equilibrar razão e emoção. “Ele não entra em contato com as próprias emoções e sentimentos. E, por isso, não dá importância
ao sentimento dos outros”.

FRANQUEZA INCOMPREENDIDA

Mas há profissionais que trazem um outro olhar, presente em uma parcela da população que simpatiza com Bolsonaro. “Fica muito claro que ele fala o que pensa. Às vezes, não tem tanta habilidade social. E parece que fala com uma certa inocência, sem uma intenção estratégica no discurso”, analisa a psicóloga Aline Saramago. Segundo ela, Bolsonaro acaba se prejudicando quando se posiciona se forma mais veemente. O psiquiatra forense Guido Palomba concorda. “Ele sempre teve posições fortes. Faz parte do ser humano
expressar as suas ideias. Ele sempre falou aquilo que pensa. Faz as declarações dele do jeito que costuma fazer. Vejo uma franqueza. Isso é válido, porque estimula o diálogo e o debate. É um ponto positivo”, argumenta, enquanto o presidente senta no divã de um país em crise existencial.

O Dia. 5.8.2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.