Notícias

“Como você está?”: essa é a frase que todos nós gostamos de ouvir

como-voce-esta-essa-e-a-frase-que-todos-nos-gostamos-de-ouvir-1068x713.jpg

Um “como você está”? acompanhado de um sorriso sincero e um olhar de boas-vindas aguardando a nossa resposta é terapêutico e reconfortante. Porque às vezes não precisamos mais, porque às vezes essas três palavras mágicas são suficientes para nos sentirmos seguros, ligados a alguém significativo e bem recebido pelos cinco sentidos do coração para entender que, aconteça o que acontecer, tudo correrá bem.

Um “como você está”? acompanhado de um sorriso sincero e um olhar de boas-vindas aguardando a nossa resposta é terapêutico e reconfortante. Porque às vezes não precisamos mais, porque às vezes essas três palavras mágicas são suficientes para nos sentirmos seguros, ligados a alguém significativo e bem recebido pelos cinco sentidos do coração para entender que, aconteça o que acontecer, tudo correrá bem.

A psicologia evolucionista, por mais curiosa que pareça, tem muito a dizer nesse mesmo assunto. Dentro desta perspectiva, a ideia de que os seres humanos desenvolveram a inteligência social para promover o cuidado e a proteção de membros e rejeitando o caçador ou colecionador que estava “sozinho”, o indivíduo que não cooperar, olhando defende somente pelo benefício em si, negando ou não o apoio ao próximo.

As múltiplas evidências arqueológicas e etnográficas também nos mostram que, no início de nossa agricultura, a cooperação pacífica e o altruísmo eram comuns, e que, graças a isso, poderíamos, sem dúvida, avançar como espécie. Além disso, há também evidências de que os neandertais cuidavam dos mais velhos com maior atenção. Eles os honravam sem esperar nada em troca, e depois realizavam cerimônias funerárias que demonstravam um claro simbolismo emocional e religioso.

Tudo isso demonstra claramente que preocupar-se com os outros, cuidar deles, cuidar deles … é possivelmente o que dignifica uma espécie específica, um grupo social. Além disso, qualquer comportamento que vise proporcionar alívio, apoio ou atenção inverte positivamente nosso bem-estar físico e psicológico, ajuda-nos a sobreviver, a nos conectar uns com os outros de maneira transcendental e significativa.

Portanto, um “como você está?” declarado com sinceridade ou escrita, mesmo através de uma mensagem WhatsApp, pode fazer muito mais do que podemos acreditar…

Estou aqui para ajudá-lo, estou aqui para você e não vou lhe pedir nada em troca

David Graeber é um conhecido antropólogo que adquiriu notável fama por seu ativismo social. Uma de suas teorias mais recorrentes é a que concentra a sua visão crítica de como o dinheiro e a economia está destruindo completamente o nosso altruísmo primal, o nosso “gene” para promover a coesão, para promover o vínculo essencial entre grupos humanos que preservam nossa sobrevivência, nosso bem estar e harmonia.

Para justificar essa ideia, Graeber fala sobre os inuits da Groenlândia ou os iroqueses. Ele explica que nessas comunidades sempre houve não apenas uma preocupação sincera, mas também a ideia de pagar um favor ou mesmo a obrigação de devolvê-lo não foi concebida. Como os Inuit dizem “no nosso país somos humanos e nos preocupamos uns com os outros”. Se alguém precisa de sapatos, você só precisa pedir para eles. Se um caçador não tiver tido um bom dia, seus vizinhos compartilharão parte de sua comida com ele.

Como vemos, tanto no passado como em algumas pequenas brechas de nosso presente, há grupos de pessoas que baseiam todas as suas interações no altruísmo e em um interesse intrínseco, autêntico e constante por aquele ser humano que, como eu, passa suas dificuldades , suas necessidades, que cruzam seus medos, suas fomes, sua solidão … Há, portanto, uma vontade sincera de levantar a face além da pequena ilha do ego para contornar fronteiras individuais e assim apreciar o outro como parte de si mesmo.

Algo que sem dúvida, devemos colocar mais em prática em nossas sociedades avançadas e, aparentemente, “favorecidas”.

Um “como você está”? é terapêutico e vai além das formalidades

Nesta sociedade contêiner, como diria Eduardo Galeano, parece que nos esquecemos do princípio da humanidade dos inuitou de nossos antepassados ​​mais primitivos. Mais do que apenas sapatos, mais do que um jantar ou roupas quentes, o que as pessoas precisam é de apoio, consideração, proximidade, interesse e atenção.

Precisamos de palavras sinceras e pessoas que estão preocupadas em nos ouvir. Queremos que depois de um “como você está?” Damos lugar ao silêncio, à espera daquele olhar que transmite confiança suficiente para nos puxar, nos rebocar de nossos pensamentos, de nossos buracos negros.

Da mesma forma, é necessário dizer que não é necessário que algo de concreto nos aconteça para precisar de um diálogo terapêutico capaz de favorecer o alívio emocional. Na maioria das vezes, “como você está?” nos faz feliz o dia, nos faz sentir parte de alguém, participante de um vínculo, peças brilhantes de uma engrenagem com a qual a vida adquire maior significado, maior autenticidade.

Não negligenciemos nosso povo, não caiamos nas meras formalidades e pratiquemos a arte da consideração, do reconhecimento e da reciprocidade. Vamos praticar o “como você está” diariamente, realmente se preocupando com o bem-estar das pessoas que são significativas para nós.

Traduzido e adaptado do site La Mente es Maravillosa

A Soma de Afetos. 28.3.2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.