Ir para conteúdo

Setembro amarelo: reflexões sobre o suicídio

Por Neemias Moretti Prudente

“A pessoa que pensa em suicídio, ela quer matar a dor, mas nunca a vida”– Augusto Cury

Neste mês se promove em todo o mundo o “Setembro Amarelo”, uma campanha que objetiva conscientizar e alertar a população a respeito do suicídio e suas formas de prevenção.

A campanha foi criada em 2015 pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), com o objetivo de reunir pessoas em torno de projetos de valorização da vida e de conscientização da prevenção do suicídio. 

O mês foi escolhido porque o dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Esta data foi criada em 2003, pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio e pela Organização Mundial de Saúde, com o intuito de incentivar os países membros a adotarem estratégias para combater o problema.

Quem nunca pensou em suicídio em algum momento da vida? Ou quem não conhece alguém que já pensou, tentou ou chegou a cometer suicídio?

Para o filósofo Albert Camus (O Mito de Sísifo) “só há um problema filosófico verdadeiramente sério sobre o qual o homem deve refletir: o suicídio”.

É suficiente essa afirmação para se mensurar quão delicado e complexo é esse tema. Julgar se a vida vale a pena ou não ser vivida significa responder uma das questões fundamentais da filosofia.

A questão do suicídio (morte voluntária) é objeto de discussão desde a antiguidade e gera confronto entre aqueles que, como os estoicos, o defendem e os que, por outro lado, o condenam, como os platonistas.

Para o sociólogo Émile Durkheim (na obra: O Suicídio), suicídios estão relacionados com fatores sociais. A falta ou excesso de integração social que leva as pessoas ao suicídio. Ele diferenciou três tipos de suicídio:

  • i) o egoísta, praticado por aquelas pessoas que não estão devidamente integradas à sociedade e geralmente se encontram isoladas dos grupos sociais (ex. divorciados e idosos);
  • ii) o altruísta, em que se há o excesso de integração social, o indivíduo está tomado pela obediência e força coercitiva do coletivo (ex. kamikazes e homens-bomba); e
  • iii) o anômico, é aquele que ocorre em uma situação de anomia social, ou seja, quando há ausência de regras que mantinham a coesão social, gerando o caos (ex. em casos de crise econômica, onde os suicídios são motivados por desemprego e perda de poder aquisitivo).

Sem dúvida, a pessoa que quer se suicidar muitas vezes se sente esquecida ou ignorada; outras, sente vontade de desaparecer, fugir ou de ir para um lugar ou situação melhor; É comum acontecer diante de momentos de profundo desespero, sofrimento e de grande falta de esperança; O que quer é alcançar a paz, descanso ou um final imediato aos tormentos que não terminam.

Quando alguém decide pôr termo a sua própria vida, as palavras de T. S. Eliot fazem ainda mais sentido, pois é isso que pensamos passar na cabeça daquele que decidiu morrer: “Deserto e vazio. Deserto e vazio. E as trevas à beira do abismo”.

Não obstante, envolto por uma dor extremamente silenciosa, o suicídio hoje é considerado tabu, motivo de vergonha ou condenação, preconceito e estigma, sinônimo de loucura, assunto proibido entre a maioria das pessoas.

Diante disso, não é tratado e prevenido de maneira eficaz, tornando-se, além de tudo, um grande problema de saúde pública.

Pois bem.

O suicídio, ou violência autodirigida como é classificado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), pode ser definido como uma gesto de autodestruição, de dar fim a própria vida intencionalmente.

São vários os motivos que podem levar alguém ao suicídio, tais como doença mental (ex. depressão), abuso de álcool e drogas, bullying, desestrutura familiar, perdas recentes, abusos e maus-tratos, fatores genéticos, cobranças sociais, desemprego, fracasso amoroso, doenças, falência financeira, culpa, remorso, ansiedade, medo, fracasso, humilhação, religião, cultura, ambiente e por aí vai.

Segundo o Ministério da Saúde, mais de 96% dos casos de suicídio estão relacionados a transtornos mentais, depressão, transtorno bipolar e/ou abuso de substâncias como a maconha — números que colocam essa entre as três principais causas de morte de pessoas entre 15 e 29 anos no mundo.

Os pesticidas, o enforcamento e as armas de fogo são os métodos habituais mais empregados pelas pessoas para cometer o suicídio.

O quadro é preocupante.

Segundo dados da OMS, o suicídio é a 14ª causa de morte no mundo inteiro (e a 2ª maior causa de morte de jovens, com idade entre de 15 a 29 anos). Estima-se que 800 mil pessoas se suicidam a cada ano em todo o mundo, o que representa uma morte a cada 40 segundos.

O número de vidas perdidas desta forma, a cada ano, em todo o mundo, ultrapassa o número de mortes decorrentes de homicídio e guerra.

Além disso, a OMS afirma que para cada suicídio podem ter ocorrido mais de 20 outras tentativas que não deram certo, sem contar as muitas pessoas que consideraram fortemente a possibilidade. Inclusive, existem pessoas que são impactadas por essas mortes (familiares, amigos etc.) e podem até se tornarem suicidas.

Já no Brasil, a cada 45 minutos 1 pessoa tira sua própria vida, ou seja, por dia cerca de 32 pessoas cometem suicídio no país. Segundo a OMS, o Brasil ocupa a oitava posição no ranking de países com maior incidência de suicídios, ultrapassando o número de 11 mil casos anuais.

Segundo estudo realizado pela Unicamp, 17% dos brasileiros, em algum momento, pensaram seriamente em dar um fim à própria vida e, desses, 4,8% chegaram a elaborar um plano para isso.

O que mais preocupa é que, enquanto a média mundial permanece estável (12 mortes por 100 mil habitantes), o número de suicídios tem aumentado em mais de 10% no Brasil nos últimos anos (7 mortes por 100 mil habitantes), inclusive em 2020, durante a pandemia e o isolamento social.

A Pandemia da COVID-19 e o isolamento social também aumentam fatores de risco para suicídio. A Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) estima que de 30% a 50% das pessoas expostas a uma situação de pandemia podem desenvolver ou ter algum tipo de manifestação de intenso sofrimento.

Supõe-se que duranta a pandemia poderá haver um incremento de 50% na incidência anual de mortes por esta causa.

Mas a boa notícia, contudo, é que, segundo a OMS, 90% dos casos de suicídio podem ser prevenidos (evitados).

Mas que passos o Brasil tem dado a fim de prevenir a sua ocorrência?

Poucos.

Em 2006, o Ministério da Saúde reuniu um grupo de estudiosos e promulgou diretrizes para a prevenção. Mas não houve um plano, nem recursos orçamentárias até hoje.

Um passo importante foi dado em março do ano passado ao aprovar a Lei da Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio (Lei nº 13.819/2019).

A lei foi sancionada em abril instituindo a notificação compulsória pelos estabelecimentos de saúde dos casos de violência autoprovocada. Também cria um sistema nacional envolvendo estados e municípios para prevenção da automutilação e do suicídio e um serviço telefônico gratuito para atendimento ao público.

Se, de um lado, o Brasil está entre os países onde os índices de suicídio aumentam e o governo não faz o esforço que deveria, de outro, as organizações não governamentais, como o Centro de Valorização da Vida (CVV), estão encampando essa luta.

E o que podemos fazer, enquanto indivíduo, para ajudar?

O primeiro passo é martelar esses tabus, falando sobre o assunto, conscientizando, compartilhando informações e estimulando a prevenção. Saber quais as principais causas e as formas de ajudar pode ser o primeiro passo para reduzir as taxas de suicídio.

O segundo passo após identificar um comportamento suicida é utilizar o diálogo visando interromper o ciclo de autodestruição, ou seja, ouvir a pessoa e fazer com que ela sinta que está sendo ouvida e compreendida (sem julgá-la).

Então o terceiro passo é conduzi-la a um profissional (ou serviço) especializado.

Portanto, entendemos que se boa parte dos suicídios podem ser evitados e todos podem ser agentes de prevenção. Por isso, é importante despertar a conscientização sobre o tema. Se a população estiver consciente, passa a entender que o problema existe e o que pode fazer para ajudar quem está em risco.

Por fim, setembro é o mês da campanha de conscientização sobre a prevenção ao suicídio. Precisamos falar sobre o tema e, mais do que isso, ajudar quem precisa.

Precisa de Ajuda: O Centro de Valorização da Vida é responsável por oferecer apoio emocional e prevenção ao suicídio, atendendo gratuitamente e sob sigilo por telefone (188), chat e e-mail.

Quando a noite cai é preciso focar na preservação da vida.

Neemias Moretti Prudente, Professor, Criminalista, Mestre e Especialista em Ciências Criminais, Graduado em Direito, Licenciado em Filosofia, Escritor, Ufólogo e Anti-Penalista. Diretor Geral e Editor Chefe do Factótum Cultural. Escrevendo para não enlouquecer enquanto espera a invasão alienígena ou algum meteoro en passant.

Os artigos publicados, por colunistas e articulistas, são de responsabilidade exclusiva dos autores, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Factótum Cultural.

Factótum Cultural Ver tudo

Um Amante do Conhecimento e com o desejo de levá-lo aos Confins da Galáxia !!!

Um comentário em “Setembro amarelo: reflexões sobre o suicídio Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: